Imagem: Cantora Angola
A cantora angolana Titica e a banda Baiana System (Foto: Divulgação/Rock in Rio)

Menos de quatro meses antes de se juntarem no palco Sunset do Rock in Rio, a banda Baiana System e a cantora angolana Titica testaram pela primeira vez a mistura do kuduro africano com o som de Salvador. Juntos, eles gravaram “Capim Guiné”, faixa inédita com batida dançante e letra sobre união, educação e igualdade, que será apresentada no show do dia 22 de setembro.

“A química foi boa. Isso é o mais importante”, comemorou a artista angolana, um ícone do kuduro na África. E foi mesmo: no primeiro encontro no estúdio do Red Bull Sation, em São Paulo, Titica e Russo Passapusso, vocalista da Baiana System, pareciam velhos conhecidos – ficou tudo em casa quando a cantora, ex-bailarina, contou ao músico já ter dançado em cima de um trio elétrico no Carnaval de Salvador.

Leia também:  Ivete Sangalo será técnica do 'The Voice Brasil', e Claudia Leitte assume cadeira do 'The Voice Kids'

“Capim Guiné” já era trabalhada por Passapusso com influências de kuduro, mesmo antes da banda saber que cantaria com Titica no Rock in Rio. A canção estava quase pronta, quando a cantora se juntou ao projeto. Roberto Barreto, idealizador da Baiana System e que toca guitarra baiana na banda, conta:

“Há uns três anos Russo fala sobre as músicas de Titica. Há uma ligação muito forte entre Angola e Bahia. Está na música, no comportamento, nas cores…”

Até o chão

A origem periferica urbana e as bases produzidas de forma orgânica aproximam o kuduro da música baiana, na opinão de Barreto. “Há um paralelo direto entre o kuduro e o que acontece na Bahia. A forma como eles cantam é diferente, mas a base rítimica é muito parecida, e a percussão vai muito em cima do samba”, ele explica. Titica também vê semelhanças: “A parte eletrônica tem muito a ver com o kuduro. Os dois sons casam.”

Leia também:  Leo Carmo | "Minha mãe canta pela casa e eu sempre quis aprender a tocar como meu pai"

A voz grave da angolana, citada como a primeira artista transexual de seu país, dá mais força a “Capim Guiné”. No trecho da música que canta, Titica rima versos politizados, um tema que admite ser não ser sua especialidade. “Sou de músicas mais safadas”, brinca. E promete levar esse espírito ao palco do festival:

“No palco, vamos deixar fluir. Vai ter muito kuduro, até o chão. Ninguém vai ficar parado.”

Aquecimento pré-festival

A faixa de Baiana System e Titica será lançada como parte de um projeto do Rock in Rio com a Red Bull Station. Ela faz parte de uma série de outros encontros que servem ao mesmo tempo como registro de músicas inéditas e aquecimento para o palco Sunset. Também sairão músicas de Nação Zumbi com Ney Matogrosso, Johnny Hooker com Liniker e Almério e Céu com Boogarins.

Leia também:  Corpo do cantor Chris Cornell foi cremado em cerimônia com pequeno grupo de amigos e familiares

Todos os ingressos para a edição deste ano do Rock in Rio estão esgotados. Segundo o festival, o evento terá ao todo 700 mil pessoas nos sete dias. A produção não informou quantos ingressos foram vendidos para cada noite. Os shows vão acontecer nos dias 15, 16, 17, 21, 22, 23 e 24 de setembro. Neste ano, a Cidade do Rock vai ser montada no Parque Olímpico, na Zona Oeste do Rio.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.