Imagem: Dor de garganta
Infecção na garganta: mais comum entre o outono e o inverno, época de ar seco em que os microrganismos mais se proliferam e ocorrem muitas mudanças de temperatura (Getty Images/Getty Images)

Sabe aquela dor de garganta incômoda que muitas vezes acompanha uma gripe ou um resfriado? Chamada pelos médicos de faringite infecciosa, ela é, como o próprio nome sugere, um sintoma de infecção na região da faringe, na grande maioria dos casos causada por vírus ou bactérias.  “Muitas vezes a infecção viral pega também a região das amígdalas e é chamada de faringoamigdalite”, explica a otorrinolaringologista Renata Dutra de Moricz.

Esse tipo de infecção é mais comum entre o outono e o inverno porque é nessa época de ar seco que esses microrganismos mais se proliferam. Além disso, especialmente no outono, ocorrem muitas mudanças de temperatura que prejudicam a mucosa respiratória e a imunidade das pessoas, o que também facilita o ataque de vírus e bactérias. A exposição a ambientes com ar condicionado muito forte é outro fator prejudicial à saúde. “A garganta tem cílios que funcionam como defesa do organismo”, afirma Renata. “Quando a temperatura cai bruscamente, o movimento desses cílios diminui e a defesa do organismo fica enfraquecida”, explica.

Leia também:  Um jeito inesperado de prevenir a endometriose

O que fazer?

O tratamento da faringite ou amigdalite depende, primeiramente, de o médico identificar o microrganismo que está causando a infecção. “Normalmente, a infecção bacteriana apresenta pus na faringe ou na amígdala”, afirma Renata. Se for esse o caso, o médico pode indicar um antibiótico associado a um anti-inflamatório e/ou analgésico, para aliviar a dor ainda durante o tratamento. Por outro lado, se a infecção for viral, a recomendação é tratar apenas os sintomas, mais uma vez com analgésicos ou anti-inflamatórios.

Além disso, a otorrinolaringologista afirma que pastilhas com propriedades analgésicas e anti-inflamatórias podem ser grandes aliadas para aliviar a dor dos pacientes. “Esse tipo de pastilha é muito mais eficiente do que a simplesmente anestésica, que raramente tem efeito sobre a faringe”, diz.

Leia também:  O revés das dietas sem glúten

Isso acontece porque a saliva da pessoa que utiliza uma pastilha anti-inflamatória transporta o medicamento até a garganta, o que rapidamente pode aliviar o sintoma de dor. Esse é o caso da pastilha Strepsils(*). Composta por flurbiprofeno, tem propriedades analgésicas e anti-inflamatórias que aliviam rapidamente os sintomas, como dor, inchaço e dificuldade para engolir. Sua ação começa a partir de 15 minutos e dura por até três horas.

Outras dicas para aliviar esse incômodo são hidratar a garganta tomando bastante água e evitar substâncias irritantes, como pimenta, vinagre e frutas cítricas. Também vale a pena utilizar produtos naturais com mel e própolis e, sempre que possível, evitar ambientes com ar condicionado.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.