Com criança nos braços, mulher foge de conflito em Mossul, no Iraque - Foto: REUTERS/Alaa Al-Marjani
Com criança nos braços, mulher foge de conflito em Mossul, no Iraque – Foto: REUTERS/Alaa Al-Marjani

As crianças de Mossul estão sendo as mais afetadas pela luta entre as tropas iraquianas e o Estado Islâmico, advertiu nesta segunda-feira (5) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).
De acordo com a agência cerca de 100 mil crianças estão presas no fogo cruzado na cidade iraquiana. Ainda de acordo com a Unicef, a agência tem recebido “informes alarmantes” sobre mortes de civis, alguns deles crianças, assassinados enquanto tentam fugir do fogo cruzado.

O representante da organização no Iraque, Peter Hawkins, assegurou em um comunicado que calcula que “cerca de 100 mil crianças permanecem em condições extremadamente perigosas no casco antigo e em novas zonas do oeste de Mossul”.
Hawkins fez um apelo para que ambos os lados do conflito “protejam as crianças e as mantenham fora de perigo em todo o momento, cumprindo suas obrigações de acordo com as leis humanitárias”.

Leia também:  Rebelião em presídio deixa dezenas de feridos e mortos no México
Em alguns casos as crianças são forçadas a entrar no conflito - Foto: AP Photo/Maya Alleruzzo
Em alguns casos as crianças são forçadas a entrar no conflito – Foto: AP Photo/Maya Alleruzzo

“A vida das crianças está em jogo. Eles estão sendo assassinados, feridos, e usados como escudos humanos. Estão testemunhando e vivendo uma violência terrível, pela qual um ser humano não devia passar jamais”, comentou, dizendo que em alguns casos as crianças são forçadas a entrar no conflito.
A Comissão de Direitos Humanos do Conselho provincial de Nínive, da qual Mossul é capital, denunciou ontem a morte de pelo menos 170 civis na última quinta-feira (1º) pelas mãos dos jihadistas em um bairro situado na parte ocidental do rio Tigre, que divide a cidade.

Os civis foram mortos diante da entrada de uma fábrica de bebidas. Hawkins também disse que “os ataques contra civis e infraestruturas civis como hospitais, clínicas, escolas, casas e sistemas de água devem parar imediatamente”.
Com o apoio dos Estados Unidos, as forças iraquianas seguem apertando o cerco contra o EI, que resiste dentro do centro histórico da cidade. De acordo com informações da agência EFE, estão lutam ao lado do grupo terrorista cerca de 700 combatentes, muitas deles estrangeiros.

Leia também:  Homens com idade inferior aos 50 anos são proibidos de participar de oração muçulmana

Pora-voz do Ministério da Defesa, Tahsin al Jafayi afirmou à EFE que pelo menos 150 mil civis seguem nas zonas controladas pelos radicais, que estão encurralados pelas tropas do governo.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.