O advogado de defesa da prefeita cassada de Várzea Grande, Lucimar Campos (DEM), Ronimárcio Naves, declarou que o valor gasto com publicidade que gerou o processo de cassação da prefeita, R$ 1.200 milhão, é irrisório se comparado ao orçamento do município que é de R$ 400 milhões.

Em uma conta básica e rápida a coluna Bastidores, chegou à conclusão que a prefeita e sua equipe de comunicação, gastaram em sete meses de publicidade, o valor de R$ 171 mil, isso mesmo, R$ 171.

A cassação foi determinada pelo juiz Carlos José Rondon Luz, da 20ª Zona Eleitoral de Várzea Grande, em decisão proferida na última segunda-feira (19).

O QUE DIZ A LEI

Leia também:  Liminar cai e Valtenir será reconduzido ao cargo

Em sua decisão, que levou à cassação do mandato da prefeita e do seu vice, o magistrado fez questão de frisar que o artigo 73 da Lei das Eleições, proíbe a realização, no 1º semestre do ano de eleição, de despesas com publicidade dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, acima da média dos gastos no 1º semestre dos três últimos anos que antecedem o pleito.

A DEFESA

Ainda segundo a defesa da prefeita, cada cidadão pagou pela publicidade institucional da prefeitura de Várzea Grande R$ 0,30. O advogado ainda comparou o custo per capita de Várzea Grande com as cidades de Cuiabá, onde se gastou R$ 7 e Rondonópolis R$ 5. “Até a Polícia Militar de Mato Grosso gastou mais que o município de Várzea Grande”, afirmou.

Leia também:  Grupo Itapemirim é o novo dono da Passaredo
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.