Lee Kaplan foi preso por estupro e exploração infantil - Foto/Reprodução
Lee Kaplan foi preso por estupro e exploração infantil – Foto/Reprodução

Um homem foi preso por manter seis irmãs, de 9 a 19 anos de idade, como escravas sexuais em sua casa depois que elas foram entregues a ele pelos próprios pais. A polícia encontrou Lee Kaplan, de 51 anos, morando com as jovens na Pensilvânia, nos Estados Unidos. De acordo com procuradores responsáveis pelo caso, as irmãs foram entregues a Lee depois que ele ajudou financeiramente a família, pagando dívidas.

O homem estuprou diversas vezes todas as meninas. Uma das mais velhas, de 18 anos, teve duas filhas dele. O pai das jovens, Amish Daniel, também entregou a própria mulher, Savilla Stoltzfus, a Lee, “na esperança de fortalecer a linhagem da família”. Amish e Savilla foram também presos e admitiram exploração infantil.

Leia também:  Pessoas que se tornam pais entre 35 e 50 anos tem mais chance de ter filhos "nerds"

O casal confessou que sabia que Kaplan estava fazendo sexo com as adolescentes e até “pesquisou a legalidade do acordo na internet”, disse a polícia. Kaplan negou as 17 acusações, incluindo estupro infantil, agressão sexual e agressão indecente e foi condenado por um júri nesta terça-feira.

Durante o julgamento, todas as garotas deram provas sobre a vida que levavam como reféns de Kaplan, que se descreveu como um profeta de Deus. Elas afirmaram que eram raramente autorizadas a sair da casa e que eram obrigadas a passar os dias fazendo colheitas no jardim e sendo “educadas em casa” por Kaplan.

A polícia descobriu o crime após um vizinho de Kaplan denunciar o cárcere privado das jovens. Segundo ele, a casa parecia estranha.

Leia também:  Grupos armados entram em confronto e matam 26 pessoas no México

“Minha intuição me dizia que havia algo errado naquela casa. Não havia razão para que este homem tivesse essa quantidade de filhas, todas sempre vestidas de azul, nunca fora da casa regularmente, parecendo tão assustadas”, contou ao jornal “Mirror”.

O advogado da Kaplan, Ryan Hyde, disse que continua a negar as ofensas e analisará as opções de recurso.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.