Hitler não costumava assinar nem mesmo documentos- Foto: BBC
Hitler não costumava assinar nem mesmo documentos- Foto: BBC

A edição do livro é de 1935, tem uma suástica em alto relevo e traz a assinatura do ditador alemão na primeira folha.
Havia chegado às mãos de um antigo jornalista da BBC e do periódico Oxford Mail, Peter Cadogan, em uma visita a Munique no fim da década de 1930.

O comprador não teve a identidade revelada e adquiriu o livro online a partir do condado de Lancashire, na Inglaterra.
Antes, o responsável pelo leilão, James Thompson, acreditava que o preço máximo a ser pago pelo livro seria de 2,5 mil libras (R$ 10,4 mil).
Essa cópia é particularmente rara por causa do autógrafo. Hitler era conhecido por se negar a assinar documentos ou presentes – ou seja, um exemplar com a assinatura dele é algo quase impossível de se encontrar.

Leia também:  Grupo de pessoas são atacadas com serra elétrica e ficam gravemente feridas na Suíça

Thompson se disse surpreso pelo interesse demonstrado no livro, já que imaginava que ninguém gostaria de “sequer encostar em qualquer coisa nazista”.
No entanto, ele explica, há quem acredite que o livro deva ser preservado, apesar da terrível herança de Hitler. “É, de certa forma, um jeito de tocar o monstro”, diz.
Thompson diz que não sabe quem comprou o livro, mas imagina que tenha sido o dono de alguma coleção histórica particular.
Livro
Minha Luta foi publicado inicialmente em 1925 e fala da ideologia política de Hitler e seus planos para a Alemanha.
O jornalista Cadogan conhecera a britânica Unity Mitford, que fazia parte do círculo de amigos próximos de Hitler – foi ela que pediu para o ditador assinar o livro.

Leia também:  Voos são cancelados e mais de 80 pessoas ficam feridas em tufão que atingiu Taiwan

“Hitler não assinava livros. Não era algo que ele fizesse. Ele só o fez aquela vez, a pedido de Unity Mitfort”, explica Thompson.
O livro foi vendido a pedido da família de Cadogan.

Para o historiador Stuart Jennings, da Universidade de Warwick, o livro é raro também porque “depois da (Segunda) Guerra e do julgamento de Nuremberg (que julgou crimes do nazismo), houve um grande esforço em destruir qualquer coisa que fosse relacionada ao Terceiro Reich, para garantir que não soubrasse nada para ser idolatrado. Até mesmo o bunker de Hitler foi destruído”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.