Breno Rodrigues Duarte da Silva sofria de uma doença neurológica - Foto/ Reprodução
Breno Rodrigues Duarte da Silva sofria de uma doença neurológica – Foto/ Reprodução

Um bebê de 1 ano e meio morreu depois que uma médica se negou a prestar socorro, na manhã de quarta-feira (7), como mostrou o Bom Dia Rio. Os pais dizem que ela foi embora antes de fazer o atendimento. A outra equipe médica só chegou duas horas depois da morte da criança.

Breno Rodrigues Duarte da Silva sofria de uma doença neurológica. No começo da manhã de quarta-feira, os pais do bebê ficaram preocupados porque ele estava com dores no estômago.

“E a internação foi solicitada a Unimed. A Unimed mandou a ambulância para gente, a gente solicitou às 8h20 da manhã. Quando foi às 9h10 ambulância chegou ao condomínio, só que ambulância chegou no nosso condomínio e nós não sabemos o porquê a médica da ambulância, plantonista que foi para levar o meu filho para a internação não atendeu”, contou a mãe da criança, a empresária Rhuana Lopes Rodrigues.

Leia também:  Dois vigilantes são mortos dentro do Juizado da Infância e Juventude de GO

As imagens de uma câmera de segurança do condomínio mostram a médica dentro da ambulância. Ela rasga alguns papéis, gesticula bastante e depois vai embora. O relógio marcava 10h13.

“O porteiro me avisou novamente o que tinha acontecido, eu liguei novamente para o home care. O home care de pronto entrou em contato com a Unimed, dizendo que solicitaria uma outra ambulância. Só que isso era às 9h10 da manhã. Quando foi às 10h26 da manhã o meu filho faleceu nos braços em casa. E eu ligando de 10 em 10 minutos perguntando cadê ambulância. E a outra ambulância só chegou duas depois, às 11h quando meu filho já havia falecido”, disse a mãe.

Leia também:  Jogador Edilson "capetinha" é preso por falta de pagamento de pensão

Os pais do bebê registraram o caso na 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes), na Zona Oeste, na noite de quarta-feira.
“Eu tive uma hora e meia entre a chegada dela e o óbito do meu filho. Dentro dessa uma hora e meia, eu teria chegado no hospital, ele teria sido socorrido, ele teria feito os procedimentos que deveriam ser feitos e provavelmente estaria vivo agora”, disse Rhuana.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.