Parrudo posa ao lado do Capitão Serra Negra, que em um post disse que amava o acusado financiar o tráfico - Reprodução Internet
Parrudo posa ao lado do Capitão Serra Negra, que em um post disse que amava o acusado financiar o tráfico – Reprodução Internet

Uma ‘amizade perigosa’. Assim pode ser definida a relação muito próxima de alguns oficiais da Polícia Militar com Fabio Fernandes Vila Real, o Parrudo, preso em maio deste ano, durante operação da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod).

Os PMs que posavam em fotos publicadas nas redes sociais do acusado, ostentando bebidas e joias, atuam ou atuavam nas áreas mais conflagradas do Rio. A atitude dos militares já está sendo investigada pela Corregedoria.

Além de Parrudo, Thiego Raimundo dos Santos Silva, conhecido como TH, também foi preso na mesma ação. Ele é um joalheiro popular entre celebridades. Segundo o delegado Felipe Curi, da Dcod, os dois são acusados de serem os ‘braços financeiros’ de todas as facções cariocas. E foram investigados por forte envolvimento com bandidos do Terceiro Comando Puro (TCP).

Leia também:  Droga é apreendida em caminhão dos Correios no MS com destino a Madrid
Capitão Leonardo também aparece ao lado de Parrudo em uma boate - Reprodução Internet
Capitão Leonardo também aparece ao lado de Parrudo em uma boate – Reprodução Internet

Ainda segundo as investigações da Dcod, Parrudo e TH pagavam ‘arrego’ aos policiais corruptos em troca de informações privilegiadas. Nas imagens divulgadas por Parrudo, há PMs do 9º BPM (Rocha Miranda), 16º BPM (Olaria) e 41º BPM (Irajá), além de oficiais aposentados.

As unidades são responsáveis por áreas como Cidade Alta, Parada de Lucas, Vigário Geral, Serrinha, Juramento, Chapadão e Pedreira.

Um militar que aparece nas fotos é o major Nilton João Prazeres Neto, que já foi preso há três anos por envolvimento em quadrilha que agia em Bangu.

Outro que está nas imagens é o capitão Serra Negra, que já foi lotado no 9º BPM, 41º BPM (Irajá). Em um dos posts, ele chega a escrever “Te amo, irmão”, para Parrudo. O capitão Leonardo, atualmente, no 16º BPM (Olaria), também compartilhou momentos com o acusado de financiar o tráfico.

Leia também:  Fotógrafa em tratamento dos rins morre ao receber anestesia na veia

A PM informou que, “conforme o teor das informações encontradas pelo órgão corregedor, poderá ser instaurado um procedimento apuratório”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.