A | A

Há cerca de três meses a rotina de estudos de alunos de dez escolas estaduais de Cuiabá tem passado por mudanças, dentro e fora de sala de aula. São transformações no dia-a-dia que vêm sendo percebidas pelos diretores, com impacto direto na aprendizagem dos estudantes. Trata-se do Programa de Formação de Liderança e Inovação Metodológica, iniciativa da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer em parceria com a ONG Ensina Brasil.

Allyson da Silva Santana, 13 anos, cursa o 8º ano do Ensino Fundamental na Escola Estadual Hélio Palma de Arruda, no bairro Planalto. Seu sonho é ser piloto de avião e ele sabe que, para alcançar esse objetivo, é preciso se dedicar aos estudos.

Para isso, conta com a ajuda do professor Vitor Gustavo Pereira, um dos 35 integrantes do programa. O auxílio e a atenção do professor de Língua Portuguesa têm feito a diferença no desempenho de Allyson. Ele conta que tinha muita dificuldade de assimilar o conteúdo dessa disciplina. 

“Depois que conheci o Vitor, eu finalmente tenho conseguido aprender, principalmente porque ele me explica de um jeito diferente do que eu estava acostumado em outras escolas onde estudei”, afirma.

O estudante diz que a aproximação com o professor mudou sua forma de ver a escola. “Os professores estão nos inspirando. No caso do Vítor, ele contou que não era bom em Português, mas que, assim como eu, teve uma professora que o fez aprender e se esforçar para ir além, como ele tem feito comigo”, conta Alysson.

Leia também:  PM leva mais de 1.300 policiais às ruas em ações preventivas e de repressão à violência

A aluna do 9º ano do Ensino Fundamental, Rhuamma Esther da Silva Bispo Oliveira, 14 anos, também tem sentido as mudanças. “É muito bom estudar aqui porque os professores dão atenção, nos ajudam a perseguir nossos sonhos, nos preparando para provas como a do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), com aulas nos contraturnos”, afirma. 

Para a diretora da escola, Eliane Aparecida Melo Barbosa, que está há 32 anos na educação pública, a chegada dos jovens professores do programa trouxe melhorias em diversos aspectos. “Eles chegaram com muito gás, muita criatividade, e todos nós fomos contagiados por eles. Também estamos percebendo que os alunos parecem ter começado a sonhar”, relata.

As dez escolas participantes aderiram ao programa de forma voluntária.

Inovação 

O Programa de Formação de Liderança e Inovação Metodológica é uma iniciativa do Governo do Estado em parceria com a ONG Ensina Brasil e conta com 35 participantes. Todos são graduados e passaram por um processo de seleção rigoroso, que teve mais de 3.300 inscritos, antes de serem contratados como professores temporários especialistas. Os participantes recebem formação diferenciada e tutoria pedagógica ao longo de dois anos.

O objetivo é atrair talentos com vocação para educação e formá-los para que futuramente assumam posições de liderança nessa área. A ideia do programa é que a experiência de ser professor e dar aula seja a base dessa formação, em busca de vencer os desafios vividos por educadores e gestores nas escolas públicas e de gerar transformação positiva na vida dos estudantes. 

Leia também:  Hospitais filantrópicos de MT anunciam paralisação na próxima semana

De acordo com o secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer, Marco Marrafon, o programa tem como princípios a tolerância, a construção coletiva e a união de culturas.

“São valores que tanto os estudantes, quanto os professores, vão levar para o resto de suas vidas. Ainda que este programa tenha um caráter excepcional, trazer essa integração cultural e esse intercâmbio de experiências para os alunos da rede estadual é uma inovação que tem dado muito certo”, disse o secretário.

A metodologia adotada pelo programa é atestada internacionalmente e similar a iniciativas desenvolvidas em mais de 40 países. A parceria com a ONG Ensina Brasil, responsável pelo acompanhamento técnico, não envolve repasse de recursos públicos. Os profissionais selecionados foram contratados diretamente pelo Estado, em condições iguais a de professores temporários, e a iniciativa tem caráter inovador, sem objetivo de ganhar escala em número de participantes.

“O programa gera impacto direto nas escolas onde está presente, pois promove um ambiente de cooperação dos participantes com o corpo docente e pedagógico e incentiva o melhor desempenho do estudante. Ao mesmo tempo, o programa também promove o desenvolvimento do participante que passa a entender, na prática, os desafios da escola pública e refletir sobre sua experiência como professor, valorizando a carreira, de forma com que ele siga engajado com a transformação da educação no nosso país”, diz Erica Butow, CEO do Ensina Brasil.

Nos demais países com programas semelhantes, grande parte dos participantes continua trabalhando pela melhoria de educação em diferentes funções ao fim dos dois anos. Muitos alcançam posições de liderança como secretários de educação e diretores de escola.

Leia também:  Sintep/MT convoca trabalhadores para Greve Geral

“Independentemente da posição que alcancem, os participantes desse programa sempre levarão consigo a perspectiva de seus alunos e esse olhar único de professor, motivando-os a ir além para transformar essa realidade”, complementa Erica.

Segundo Joel Pereira, professor do programa, a motivação para se inscrever foi ter visto na sua própria vida o poder transformador da educação.

“Eu vim de família humilde, estudei em escola pública a vida inteira, mas graças ao apoio dos meus professores e da família, tive oportunidade. Consegui entrar na Universidade de São Paulo – USP e poderia ter seguido diversos outros caminhos, mas percebi que tinha que contribuir para que mais pessoas tivessem as oportunidades que eu tive. Por isso, vi no programa uma ótima forma de aprender e contribuir para a educação. Não foi nada fácil passar pelo processo seletivo, e aqui vivemos um desafio a cada dia, mas estou feliz”, afirma.

Por fim, quando questionado sobre como o programa mudou a sua forma de pensar a educação, Joel não tem dúvidas: “Eu sabia o que era a escola pública como aluno, mas não fazia ideia de quão difícil era como professor. Hoje, sinto empatia e respeito enormes por todos os profissionais que estão nas escolas e trabalham todos os dias com muito comprometimento para expandir as oportunidades dos nossos alunos”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.