Presidente Michel Temer é investigado - Foto/Reprodução
Presidente Michel Temer é investigado – Foto/Reprodução

O presidente Michel Temer fará nesta terça-feira (27) um pronunciamento sobre a denúncia contra ele que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou nesta segunda (26) ao Supremo Tribunal Federal.

O presidente ainda não comentou publicamente a denúncia, que o acusa de ter praticado crime de corrupção. É a primeira vez na história do Brasil que um presidente da República é denunciado ao STF por corrupção durante o exercício do mandato.

Nesta terça, a habitual reunião pela manhã no gabinete presidencial com assessores e ministros próximos não aconteceu. Temer permaneceu durante a manhã em casa, no Palácio do Jaburu.
Na noite desta segunda, o presidente se reuniu com aliados e ministros no Palácio do Planalto, de ontem somente saiu pouco depois das 23h.

Leia também:  Produtores recorrem à AL por mudanças na Lei do Susaf

A denúncia
Segundo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, “com vontade livre e consciente”, o Temer “recebeu para si, em razão de sua função”, por intermédio do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, atualmente preso, R$ 500 mil oferecidos pelo grupo J&F, ao qual pertence o frigorífico JBS, do empresário Joesley Batista.

Além disso, de acordo com a acusação, Michel Temer e Rocha Loures aceitaram ainda a promessa de vantagem indevida no montante de R$ 38 milhões para atuação em defesa dos interesses da empresa.
O Ministério Público Federal reconstituiu todos os fatos, do encontro entre Joesley Batista e Temer no Palácio do Jaburu até a entrega de uma mala com R$ 500 mil a Rocha Loures em São Paulo.

Leia também:  Instituto Tiradentes aponta Thiago Silva como o vereador mais atuante em 2017

O encontro entre o empresário e o presidente foi marcado por Loures, ex-assessor de Temer.
Na conversa com Joesley Batista, Loures informa: “Ele prefere te atender à noite no [Palácio do] Jaburu [residência oficial], mais tarde, sei lá, a partir das 10 da noite, 11 horas”.
Segundo o procurador-geral da República, foi nesse encontro no Jaburu que Joesley Batista e Temer iniciaram tratativas delituosas. E, segundo a denúncia, “ficou evidente a intenção do denunciado Michel Temer em escamotear o encontro”.

Na denúncia, Janot afirma que os assuntos tratados por Joesley com Temer envolviam a prática de crimes. E que na conversa no Jaburu Joesley relatou a temer que pagava vantagem indevidao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba, e corrompia um juiz e um procurador da República.

Leia também:  Câmara estuda junto ao Sanear nova tabela de cobrança
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.