Imagem: sr. Elpidio Unemat
Foto: Assessoria

Aos 69 anos, o borracheiro aposentado Elpídio Neto de Oliveira cursa o terceiro semestre de licenciatura em Letras no campus da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), em Alto Araguaia. O sonho dele é promover mudanças na vida das pessoas por meio da educação, e confessa: “se der eu vou ministrar aula sim, nem que seja de graça”, diz.

A força do senhora Elpídio em não desistir do sonho de se formar e concluir o ensino superior serve de inspiração para outros colegas. “Eu tenho dificuldades com as aulas, mas não desisto. Sou o único homem da minha sala, e as meninas, que são muito mais jovens, me ajudam com as matérias”.

A história de vida do acadêmico da Unemat mostra como a universidade, que completa 39 anos de existência, é inclusiva e gera oportunidades para os mato-grossenses. “A Unemat tem um papel social ímpar e, por onde andamos nessa universidade, encontramos exemplos de vidas transformadas pela educação. Temos o compromisso de levar um ensino superior de qualidade e de forma gratuita para o povo de Mato Grosso”, destaca a reitora, Ana Maria Di Renzo.

Leia também:  Cirurgia possibilita que paciente possa voltar a ver os filhos

“Eu fiz o curso de admissão (primário) até 1964, mas tive que parar. E, aos 65 anos, em 2013, voltei a estudar. Conclui o ensino médio e fiz o Enem (Exame Nacional de Ensino Médio) para ingressar na Unemat”, conta seu Elpídio. Ele, que não tem filhos naturais, criou os filhos da atual companheira e já possui muitos netos e até bisneto, os quais ele incentiva a investirem nos estudos. “Eu tenho uma bisneta que cursa o 7º ano e eu falo para ela que tem que estudar, pois só a educação é algo que ninguém tira. O dinheiro pode ser roubado, mas a educação não”, diz, com orgulho da decisão que tomou.

Leia também:  Novo posto do Sine amplia serviços aos trabalhadores no interior

Entre as razões que o levaram a retomar os estudos depois de tantos anos, está o desejo de aprender e ajudar. Os pais dele, apesar de humildes e de trabalharem muito, sempre incentivavam os filhos a estudarem. “Minhas irmãs fizeram o magistério na época, eu tive que parar de estudar, meu pai teve câncer nos ossos, quebrava muito, e minha mãe quebrou o resguardo e ficou de cama e cega. Mas meu pai sempre dizia que tinha um sonho de ver um filho formado, e esse alguém decerto sou eu”, relembra, emocionado.

Sobre a experiência acadêmica, ele conta que tem gostado muito e que procura participar ativamente das atividades universitárias e das discussões. Durante o Seminário Regional do 3º Congresso Universitário, Elpídio participou dos três dias de discussões sobre as macropolíticas da Unemat.

História da Unemat

Leia também:  Abertas inscrições da 2° corrida Rotam Extreme

A Unemat foi fundada no dia 20 de julho de 1978, como Instituto de Ensino Superior de Cáceres (IESC), naquele município. Com base na Lei nº 703, foi publicado o Decreto Municipal 190, criando o IESC, vinculado à Secretaria Municipal de Educação e à Assistência Social, com a meta de promover o ensino superior e a pesquisa. Passou a funcionar como Entidade Autárquica Municipal em 15 de agosto do mesmo ano.

Já em 15 de dezembro de 1993, por meio da Lei Complementar 30, instituiu-se a Universidade do Estado de Mato Grosso, mantida pela Fundação Universidade do Estado de Mato Grosso (Funemt). Hoje, a Unemat está presente em 108 dos 141 municípios mato-grossenses, com 11 campi e 15 núcleos pedagógicos. Cerca de 15 mil acadêmicos são atendidos em 82 cursos regulares e modalidades diferenciadas oferecidas em todo o estado, 49 especializações e dois mestrados institucionais.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.