Senadores do PMDB discutem em redes sociais - Foto/Reprodução
Senadores do PMDB discutem em redes sociais – Foto/Reprodução

Os senadores do PMDB Roberto Requião (PR) e Romero Jucá (RR) trocaram ofensas por meio de vídeos que os dois divulgaram nas redes sociais. Eles também fizeram acusações um contra o outro e, em determinado momento, Jucá chega a comparar Requião a cachorros vira-latas.

A discussão começou na sexta-feira (28), quando Requião gravou um vídeo para comentar uma reportagem da revista “Veja”, segundo a qual Jucá estaria montando uma estratégia para tirar o senador do partido.
De acordo com a revista, também seria retirada da legenda a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO). Ela e Requião têm atuado no Senado como vozes contrárias ao governo de Michel Temer, também do PMDB. Jucá é presidente nacional do partido e um dos principais aliados de Temer.

Leia também:  Primavera do Leste | Empresários se revoltam com possíveis mudanças na Lei do Distrito Industrial

Logo no início do vídeo que Requião gravou para alfinetar o colega de partido, ouve-se ao fundo alguns latidos. O senador aproveita a deixa para dizer que “a cachorrada ficou louca” e emenda: “Romero Jucá, se eu solto meus cachorros atrás de você, vai ser bem mais sério que uma busca da Polícia Federal ou da Lava Jato”.

A provocação de Requião foi respondida no vídeo de Jucá. Ele disse que o colega está andando com muito vira-lata. “Deve ser igual a eles”, afirmou.
Jucá disse ainda que não deve nada à Polícia Federal. “Eu não tenho medo de cara feia e nem de bravata. Não devo nada. Nem à Polícia Federal, nem à Lava Jato. Não sou réu em nenhuma ação, diferente do senhor que é réu em várias ações aí, no Paraná”, declarou o senador.

Leia também:  “Apesar do alto investimento, não estamos constatando melhorias na saúde”, diz vereador Silvio Negri

Jucá é investigado em cinco inquéritos da Lava Jato baseados em delações do empresário Marcelo Odebrecht e executivos do grupo Odebrecht.
Requião foi citado na delação premiada de Ricardo Saud, diretor da empresa que controla a JBS. Segundo o depoimento do executivo, o senador foi um dos políticos beneficiados com propina paga pela JBS.
Os dois senadores têm negado as acusações.
O desentendimento entre Jucá e Requião gera uma crise nas instâncias do partido, já que, além de Jucá ser o presidente nacional, Requião preside o diretório paranaense da sigla.

Requião aproveitou o vídeo para criticar caciques peemedebistas e defendeu que o parlamentares da legenda deveriam ser “porretas” e “diferenciados”. O senador acrescentou que o PMDB está diante de uma crise moral.
“Não roubar, não deixar roubar, denunciar e punir quem rouba. É isso Romero Jucá, é isso a nossa posição. Por isso cogitam a minha expulsão? Vão manter só o pessoal com a tornozeleira no pé?”, declarou.

Leia também:  OAB/MT quer auditar sistema de escutas no Estado

Requião também disse que o PMDB precisa voltar as raízes. “Não há espaço para dubiedade, companheiro Romero Jucá, para a mornidão e para o jeitinho”, completou.
No vídeo de resposta, Jucá diz que as colocações de Requião são “lamentáveis e atrasadas, visando uma política antiga, bolivariana e petista”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.