MST em frente a sede da Amaggi em Rondonópolis - Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT
Manifestante em frente a Amaggi – Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT

Um grupo de manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) fecharam a rua em frente ao escritório da AMAGGI em Rondonópolis, nesta sexta-feira (28). Eles afirmaram que estavam no local para o encerrando da jornada de ocupação da fazenda do senador Blairo Maggi, que teve início na última terça-feira (25).

Nesta mesma manhã, o senador Blairo Maggi também se encontrava na cidade, para a inauguração na Santa Casa de Rondonópolis.

MST em frente a sede da Amaggi - Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT
MST em frente a sede da Amaggi – Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT

Segundo as informações da Coordenadora Estadual do MST, Idalice Nunes, a ocupação em frente ao escritório, era para mostrar que estavam ali para finalizar o ato de ocupação. “Nós não fomos no hospital onde o ministro estava dando a coletiva, porque lá é um lugar de respeito, então com isso viemos aqui (em frente a AMAGGI) para dar o último recado, estamos em alerta e estamos prontos. Hoje vamos cada um para suas casas, preparar para continuar a luta”, aponta líder.

Leia também:  Médico morre após ser atropelado por lancha no Lago do Manso
Ministro da Agricultura Blairo Maggi chega para conversar com os manifestantes do MST
Ministro da Agricultura Blairo Maggi chega para conversar com os manifestantes do MST – Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT

No momento em que os manifestantes entraram dentro do ônibus para voltarem as suas cidades de origem, o senador Blairo Maggi chegou em frente ao seu escritório e começou a andar atrás deles para saber o porque deles terem invadido sua propriedade. Sem sucesso, os manifestantes não quiseram falar com o senador e em berros diziam “não falem com ele”, “não deem moral para ele”.

O Ministro que ainda cumpre agenda hoje, entrou em seu veículo dizendo ter feito sua parte. “Bom, eu fiz a minha parte e eles não me deram atenção, então eles não querem ser ouvidos, eu vim buscar um documento que eles falaram que me dariam, mas ninguém me entregou nada e também não quiseram conversar comigo”, finaliza ministro da Agricultura.

Leia também:  Juninho e Miguel | "A gente já não sabe o que é viver sem cantar"

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.