Agentes das Polícias Civil e Militar da cidade de Santarém, no oeste do Pará, realizaram uma operação chamada “Anjo da Guarda”, que identificou um esquema de pedofilia envolvendo um médico, uma camareira, e a mãe de uma das vítimas.

O médico Álvaro Cardoso Magalhães e as duas mulheres foram presos pelos crimes de abuso sexual contra menores e serão indiciados pelos crimes de pedofilia e estupro de vulnerável.

Médico é preso por liciar crianças - Foto/Reprodução
Médico é preso por liciar crianças – Foto/Reprodução

Pelo menos duas crianças foram molestadas pelos três, e o mais chocante é que uma das crianças, um bebê do sexo feminino de apenas três meses de idade, é filho de uma das mulheres identificada como Odete.

E a outra menina, que tem dois anos e oito meses, ficava aos cuidados da camareira identificada como Darliane. Neste caso, os pais desconheciam a prática envolvendo sua filha, mas também foram chamados à delegacia para prestar depoimentos e depois liberados.

Leia também:  Goiás é o primeiro estado a testar a CNH digital

Segundo declarações da delegada Adrienne Pessoa, que é responsável pela Delegacia de Atendimento à Criança e ao Adolescente da cidade, eles serão inquiridos peloCrime de pedofilia, por conta do armazenamento e compartilhamento das imagens dos abusos e também expondo de forma obscena as crianças.

E também responderão pelo crime de estupro de vulnerável contra as duas meninas citadas acima.

Nos celulares dos acusados, a #Polícia encontrou conversas sobre a prática dos crimes, e também imagens comprobatórias.

E as duas mulheres acabaram confessando em depoimento que ajudavam o médico no aliciamento e também nos abusos contra as menores.

A delegada contou ao site do G1 de Santarém, que o médico pedia que as mulheres tocassem nos órgãos genitais das meninas e as estimulassem sexualmente, e filmassem e enviassem as imagens para ele. Isso ficou comprovado através do material encontrado no celular de Darliane.

Leia também:  Temer recebe alta de hospital em São Paulo e volta a Brasília

Já Odete, uma assistente administrativa, era mãe da pequena bebê de apenas três meses e sabia das práticas do médico e inclusive contou em depoimento que participava dos abusos, estimulando o órgão da menina e que em uma determinada ocasião, ela também se relacionava com o médico, e ele acabou ejaculando no rosto da criança e em seus seios, e que ela deu o seio com o sêmen para a bebê mamar. Todo esse abuso teria sua materialidade comprovada através de imagens que eles faziam durante o abuso.

Adrienne também contou que em uma das conversas o médico estava combinando que os cinco se encontrassem: ele, as duas mulheres e as duas crianças.

Mais pessoas estão sendo investigadas e mais prisões poderão ocorrer. A criança de 3 meses esta com a avó e a outra com os pais.

Leia também:  Mulher é assassina pelo ex-marido dentro de viatura da PM

Os três acusados foram encaminhados à penitenciária local.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.