Estão abertas até o dia 9 de agosto as inscrições para o Programa Jovens Embaixadores (PJE), que tem como alvo alunos brasileiros que são exemplos em suas comunidades, em termos de liderança, atitude positiva, trabalho voluntário, excelência acadêmica e conhecimento da língua inglesa.

O programa, criado em 2002, é realizado pela Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, em parceria com as secretarias estaduais de educação e uma rede de centros binacionais, além de empresas do setor privado que acreditam na juventude brasileira e apoiam esse importante programa de intercâmbio.

Em Mato Grosso, o programa é coordenado pela Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc).

A responsável pelo acompanhamento do projeto na Seduc, Telma Regina Oliveira, explica que para se inscrever o candidato precisa ser aluno do ensino médio na rede pública, ter entre 15 e 18 anos, ter pouca ou nenhuma experiência anterior no exterior, não ter viajado para os Estados Unidos e ter boa fluência oral e escrita em inglês.

Leia também:  Sine oferece mais de 702 oportunidades de emprego em Mato Grosso

“Além disso, é preciso que o estudante tenha excelente desempenho escolar, boa relação em casa, na escola e na comunidade e esteja atualmente engajado em atividades de responsabilidade social/voluntariado. Ele também deve comprovar já ter realizado ao menos 12 meses – contínuos ou não – de voluntariado”, informa.

Intercâmbio

Bastante concorrido, o programa recebe candidaturas de todo o Brasil. Os selecionados viajam em janeiro para um programa de três semanas nos Estados Unidos. Durante a primeira semana, conhecem a capital daquele país e seus principais monumentos, participam de reuniões com organizações do setor público e privado, visitam escolas e projetos sociais e participam de oficinas sobre liderança e empreendedorismo jovem.

Após a semana em Washington, os participantes são divididos em grupos menores e viajam para diferentes estados nos EUA, onde são recebidos por famílias-anfitriãs, frequentam aulas em escolas locais e interagem com estudantes americanos da mesma idade, participam de atividades de responsabilidade social e cultural nas comunidades e fazem apresentações sobre o Brasil.

Leia também:  MT é o 5º Estado com maior índice de violência sexual contra criança

Representante de Mato Grosso

De Lucas do Rio Verde, Djeison Rique, de 19 anos, foi selecionado para ser um jovem embaixador em 2016. Segundo ele, foram quatro tentativas até ser selecionado.

“Preenchi o formulário online, depois passei por uma seleção. Eles filtram pelos candidatos que fazem trabalho voluntário, que nunca foram para os EUA e que têm o inglês intermediário. Depois você passa por uma prova escrita e uma prova oral”, conta.

Rique passou três semanas em Washington. “A cultura é muito diferente. O mundo é diferente. O choque cultural é o que promove a aprendizagem que o programa busca, o espirito de liderança para desenvolver na comunidade, o trabalho voluntário, transformação e valores”, ressalta.

Leia também:  Lideranças e membros da sociedade civil apresentam propostas para Cuiabá de 2019

Hoje, ele acredita que vê as coisas com mais cuidado. Mas isso foi graças às vivências adquiridas e possibilitadas junto ao programa. “Quando você tem esse choque cultural, você muda sua ótica, seu senso de visão social de mundo. Eu mudei completamente. Vivemos em sociedade, temos direitos básicos garantidos na constituição, uma vida digna e felicidade”, argumenta o estudante, que incentiva a todos os jovens a participar de iniciativas como o PJE.

Inscrições

As inscrições devem ser feitas a partir da página do Jovens Embaixadores no facebook: www.facebook.com/JovensEmbaixadores/

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.