Sindicato dos Agentes Penitenciários do DF diz que pode aumentar o número de contaminados - Foto: Sindicato dos Agentes Penitenciários/Divulgação
Sindicato dos Agentes Penitenciários do DF diz que pode aumentar o número de contaminados – Foto: Sindicato dos Agentes Penitenciários/Divulgação

O Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, tem 692 detentos contaminados por dois tipos de doença infecciosa que provocam feridas e fungos na pele. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública, que disse ter iniciado o tratamento dos infectados.

Para apurar a situação, o Ministério Público fez vistoria na Papuda em 27 de junho. O órgão disse que deve fazer novas visitas para monitorar a situação e que vai tomar “todas as medidas necessárias até que o problema de saúde seja resolvido.”
O caso também é acompanhado pela Vara de Execuções Penais (VEP), que informou ter feito inspeções no local, e constatou que os “atendimentos emergenciais já haviam sido prestados”.

Leia também:  Bombeiros retomam buscas por desaparecidos após intensas chuvas em MG

O G1 conversou com uma especialista em saúde e uma advogada criminalista sobre o surto das doenças nos presídios e as dificuldades de controle de saúde.

Apesar de parecer alarmante, o número representa 10% do total de presos em duas alas da Papuda – o Centro de Detenção Provisória, onde há 3.623 presos e 172 infectados, e a Penitenciária I, onde há 3.800 detentos, e 520 com alguma das doenças.
De acordo com a advogada criminalista Daniela Tamanini, que tem clientes no presídio, doenças transmitidas por fungos e bactérias, como micoses, são comuns nos presídios devido às condições precárias de infraestrutura e higiene.

Apesar de parecer alarmante, o número representa 10% do total de presos em duas alas da Papuda – o Centro de Detenção Provisória, onde há 3.623 presos e 172 infectados, e a Penitenciária I, onde há 3.800 detentos, e 520 com alguma das doenças.
De acordo com a advogada criminalista Daniela Tamanini, que tem clientes no presídio, doenças transmitidas por fungos e bactérias, como micoses, são comuns nos presídios devido às condições precárias de infraestrutura e higiene.

Leia também:  Brasileira ganha passagem para ir ao Líbano resgatar filha sequestrada pelo pai

“Todos eles têm algum tipo de micose, brotoejas e coceiras, às vezes até pela ingestão de alimentos estragados. E quando tem um doente, ele está em contato com outro mil.”

Além da superlotação das celas, da falta de circulação de ar e da limpeza precária, o atendimento médico não é adequado, segundo a advogada. “Mesmo eles tendo uma ala médica lá dentro, com dois a três médicos, conseguir atendimento é difícil. Ainda mais porque essas micoses são muito comuns.”

Doença de pele provocada por bactérias atingiumais de 600 detentos da Papuda, em Brasília - Foto: Sindicato dos Agentes Penitenciários/Reprodução
Doença de pele provocada por bactérias atingiumais de 600 detentos da Papuda, em Brasília – Foto: Sindicato dos Agentes Penitenciários/Reprodução

As doenças identificadas pela governo são a escabiose e o impetigo, infecções de pele provocadas por ácaros e bactérias. Ambas têm maior chance de proliferação em ambientes fechados com aglomeração de pessoas, como escolas, creches, quartéis e presídios.

Leia também:  "Sabe o dia que eu vou operar ela? O dia que eu quiser!" diz médico do SUS

Descontente, o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Leandro Allan, afirmou que a situação é alarmante e pode piorar, já que a transmissão da doença ocorre pelo contato e os presos doentes estariam convivendo com detentos sadios.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.