Eu vou alimentar meu filho quando e onde ele precisar ser alimentado, diz Shagieva - Foto: Aliya Shagieva
Eu vou alimentar meu filho quando e onde ele precisar ser alimentado, diz Shagieva – Foto: Aliya Shagieva

Uma foto da filha mais nova do presidente do Quirguistão amamentando seu bebê gerou um debate sobre amamentação e sexualização do corpo feminino no país asiático.
Aliya Shagieva postou a foto nas redes sociais em abril com a legenda:

“Eu vou alimentar meu filho quando e onde ele precisar ser alimentado”.

Ela retirou o post do ar depois de ser acusada de comportamento imoral, mas, em entrevista exclusiva à BBC, disse que a polêmica foi resultado de uma cultura que hipersexualiza o corpo feminino.
“Esse corpo que me foi dado não é vulgar. É funcional, seu propósito é atender às necessidades fisiológicas do meu bebê, e não o de ser sexualizado”, disse ela à BBC Quirguistão.

Leia também:  Criança de 9 anos impressiona ao criar um detector de terremotos no Peru

Não foram apenas alguns usuários de redes sociais que não aprovaram a foto. Seus pais, o presidente Almazbek Atambayev, e sua esposa, Raisa, também reclamaram.
“Eles realmente não gostaram. E é compreensível porque a geração mais jovem é menos conservadora que a de seus pais”, disse Shagieva em sua casa, nos arredores da capital, Bishkek.

Para Aliya Shagieva, seu corpo tem o propósito de atender às necessidades fisiológicas do meu bebê - Foto: Aliya Shagieva
Para Aliya Shagieva, seu corpo tem o propósito de atender às necessidades fisiológicas do meu bebê – Foto: Aliya Shagieva

Shagieva tem uma presença forte nas redes sociais, onde gosta de postar desenhos e fotos estilizadas dela mesma, de seu marido e do bebê, muitas vezes em belas paisagens.

A amamentação é um tema recorrente.
“Quando eu estou alimentando meu bebê, sinto que estou dando meu melhor. Tomar conta do meu filho atendendo às suas necessidades é mais importante para mim do que o que as pessoas falam sobe mim”, disse Shagieva.

Leia também:  Terremoto que atingiu Irã ultrapassa de 450 mortos e mais de 6 mil feridos

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.