Imagem: caixinha tetrapark1
Água de coco em caixinha nem sempre é a opção mais saudável (Foto: Dercílio/SAÚDE é Vital)

Eis uma daquelas notícias difíceis de engolir: a Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) colocou à prova seis águas de coco comercializadas em caixinha e encontrou irregularidades relacionadas às informações descritas nas embalagens e aos valores nutricionais que de fato as bebidas carregavam. As marcas analisadas foram: Do Bem, KeroCoco, Obrigado, Coco do Vale, Sococo e Ducoco.

Para ter ideia, certas marcas chegaram a apresentar uma variação superior aos 20% permitidos por lei. Coco do Valle e Ducoco, por exemplo, tinham cerca de 30% mais sódio e potássio em comparação às quantidades mencionadas no rótulo. A Sococo, por sua vez, possuía 64% menos sódio. As diferenças podem afetar quem tem problemas cardíacos ou renais, já que esses minerais interferem na pressão arterial e na contração muscular. Agora, cabe destacar que uma concentração menor de sódio não é lá uma má notícia por si só.

Leia também:  9 perguntas que as mulheres devem fazer ao ginecologista

Aliás, testes laboratoriais identificaram sacarose (açúcar de mesa) na composição da Sococo, anunciada como produto natural. Isso sem mencionar a presença do metabissulfito de sódio, conservante associado ao desencadeamento de crises entre portadores de asma, segundo a Proteste.

Na Ducoco, consta em destaque a ausência de gordura e colesterol. Ocorre que essa característica é comum a toda água de coco, algo mencionado somente em letras menores. Nesse sentido, a Obrigado se destacou positivamente, cumprindo à risca a alegação “Sem adição de açúcar ou conservantes”. Por outro lado, assim como a Do Bem, a marca omite orientações sobre o armazenamento adequado do produto e não alerta sobre os prejuízos que isso pode representar à saúde.

Outro ponto a melhorar, de acordo com o teste, é que Coco do Vale, Ducoco, KeroCoco e Obrigado não mostram a data de fabricação. Apesar de não ser algo obrigatório, a informação permitiria que o consumidor optasse por bebidas produzidas há menos tempo. Confira a conclusão da avaliação, feita de 0 a 5 estrelas:

Leia também:  Transtornos alimentares veja o percentual nos últimos anos

Do Bem

Preço médio por litro (junho de 2017): R$ 6,72

Rotulagem: 5 estrelas

Adição de açúcares e conservantes: 4 estrelas

Higiene: 5 estrelas

Análise de acidez, dos açúcares e dos minerais: 4 estrelas

Análise sensorial: 3 estrelas

Avaliação final: 4 estrelas

KeroCoco

Preço médio por litro (junho de 2017): R$ 12,65

Rotulagem: 4 estrelas

Adição de açúcares e conservantes: 3 estrelas

Higiene: 5 estrelas

Análise de acidez, dos açúcares e dos minerais: 4 estrelas

Análise sensorial: 3 estrelas

Avaliação final: 4 estrelas

Obrigado

Preço médio por litro (junho de 2017): R$ 7,16

Rotulagem: 3 estrelas

Adição de açúcares e conservantes: 5 estrelas

Higiene: 5 estrelas

Análise de acidez, dos açúcares e dos minerais: 4 estrelas

Leia também:  Oleaginosas: um punhado por dia para combater 8 doenças graves

Análise sensorial: 3 estrelas

Avaliação final: 4 estrelas

Coco do Vale

Preço médio por litro (junho de 2017): R$ 7,48

Rotulagem: 3 estrelas

Adição de açúcares e conservantes: 3 estrelas

Higiene: 5 estrelas

Análise de acidez, dos açúcares e dos minerais: 4 estrelas

Análise sensorial: 3 estrelas

Avaliação final: 3 estrelas

Sococo

Preço médio por litro (junho de 2017): R$ 8,79

Rotulagem: 2 estrelas

Adição de açúcares e conservantes: 3 estrelas

Higiene: 5 estrelas

Análise de acidez, dos açúcares e dos minerais: 4 estrelas

Análise sensorial: 3 estrelas

Avaliação final: 3 estrelas

Ducoco

Preço médio por litro (junho de 2017): R$ 6,15

Rotulagem: 2 estrelas

Adição de açúcares e conservantes: 2 estrelas

Higiene: 5 estrelas

Análise de acidez, dos açúcares e dos minerais: 4 estrelas

Análise sensorial: 4 estrelas

Avaliação final: 3 estrelas

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.