É grande o índice de atos de vandalismo e depredação dos bens públicos em Rondonópolis. Os atos vão desde o de quebrar bancos públicos na praças, quebrar as lixeiras das vias públicas, quebrar os instrumentos de educação física das academias instaladas ao ar livre nos bairros a jogar lixo no nas calçadas e nos canteiros de ruas e avenidas. Outro ato de vandalismo que muito tem causado prejuízo é quanto às lâmpadas dos postes que são quebradas à golpes de pedras e até tiros de armas de fogo.

Os ataques às lâmpadas acontecem em todas as regiões da cidade, porém a grande concentração é registrada em bairros da periferia da cidade. Nessas duas últimas semanas do mês de julho, a Coder registrou mais de 60 casos de depredação de lâmpadas do sistema de iluminação pública. Dois bairros foram os campeões desses casos. Somente no Matias Neves e Dona Fiuca foram registrados mais de 50 casos. Foram mais de 50 lâmpadas quebradas a pedradas. Só no bairro Matias Neves, a Coder registrou vinte lâmpadas quebradas. Já no bairro Dona Fiuca, foram quebradas trinta e seis lâmpadas. Foram kits completos que a Coder instalou e em menos de trinta dias, pessoas da própria comunidade os danificaram causando-lhes a inutilidade por completo.

Leia também:  Manutenção no 'Setor Buriti' irá comprometer o abastecimento de água em 6 bairros

O reparo desse sistema de iluminação pública é feito em atendimento aos pedidos registrados pelo 0800-646-3444 e os registrados por meio de programas de rádios, tvs, jornais e sites. Ao receber esses pedidos a Coder faz uma ordem de serviço e uma equipe vai ao local e faz a instalação das luminárias. “Precisamos de que a comunidade nos ajude a cuidar do patrimônio público. Pois nossa equipe vai ao bairro e faz a instalação das lâmpadas, mas o cuidar e proteger é de responsabilidade da comunidade”, explicou Aparecido Alves, o Cidão, responsável pelo Departamento de Iluminação da Companhia.

É importante e necessário que a comunidade melhore seus hábitos e costumes. Muitos têm o hábito de reclamar que o lixo está no chão, que o banco está quebrado etc, mas não reclamam pelo fato de ter sido quebrado ou de o lixo ter sido jogado sobre o chão e não na lixeira. Outros reclamam que não têm a lâmpada, mas não reclamam contra quem a quebrou. Há ainda os que alegam que os parquinhos estão quebrados, mas não os impedem que sejam danificados. Precisamos melhorar nossa forma de ver e de agir. Todos juntos: comunidade e poder público juntos pelo bem da cidade.

Leia também:  A saga continua | Moradores reclamam da falta de água no Colina Verde e Sagrada Família
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.