Bom dia, boa tarde, boa noite, boa madrugada para vocês nossos leitores, muito obrigado por voltarem sempre aqui, sem vocês nada disso faria sentido.

Essa coluna tem o objetivo de falar de direito de uma forma simples, sem palavras difíceis, de um jeito que vocês entendam e se sintam confiantes para cobrar o seus direitos.

Bem não é segredo para ninguém que temos um dos piores trânsitos do Brasil, a nossa falta de educação colabora muito para isso, por algum motivo que ainda não entendo, não reservamos o corredor para as motos, dirigimos lentamente na mão direita, e mal usamos  a seta.

Na época das chuvas os acidentes aumentam e muito, vindo para o centro outro dia pela avenida Júlio Campos, chovendo já sabia o que eu ia encontrar, e não deu outra, pouco mais de 2.000 (dois mil) metros, dois carros parados e duas pessoas debaixo de chuva ofendendo um ao outro.

Leia também:  Injúria Racial qualificada pelo preconceito | Entendendo Direito

Isso já aconteceu comigo, dirigindo a poderosa e quase indestrutível Parati 86 da minha mamãe, um senhor em um belíssimo Ford Fusion foi sair sem seta enquanto eu entrava para estacionar, claro que com a Parati aconteceu pouca coisa, mas o carro dele acabou a lateral. Mostro para vocês agora o que eu fiz para sair do local com um cheque de R$ 1.500, e convencer o outro motorista de que ele estava fazendo um excelente negócio ( e estava mesmo).

Para o nosso leitor não entrar em desespero caso isso aconteça contigo vamos fazer aqui uma lista de atitudes para se tomar desde o momento do acidente até o recebimento do prejuízo.

  1. Ao ver que foi abalroado, não desça do carro antes de verificar se há segurança (se você não vai ser atropelado).
  2. Já desça do carro tirando fotos e/ou fazendo vídeo do acidente.
  3. Não precisa ficar filmando ostensivamente a pessoa que causou o acidente, o juiz só tem que saber que ela estava lá.
  4. Se afaste do local e tire fotos ou filme de um ângulo que facilite para o juiz ou o policial verificar quem não respeitou a sinalização, etc.
Leia também:  Lei Maria Da Penha fica ainda mais “dura” | Entendendo Direito

Depois que você fez provas do ocorrido, se você não ficou esfregando o celular na face do outro motorista, nem ficou discutindo, ele está pronto para negociar, porque ele sabe que na presença de um juiz ele vai perder e vai sair mais caro.

Se ao começar a filmagem a pessoa lhe perguntar o porque disso, diga com cortesia que é:

“Para que o juiz possa decidir quem está certo com facilidade” ou

“para que o delegado entenda quem tem que reparar os prejuízos”

Essas frases, se ditas sem arrogância levarão o condutor a entender que fazer um negócio na hora é melhor.

Busque negociar ali mesmo no local, após ter colhido as suas provas, pode-se tirar o carro do local do acidente, se não há nenhuma vítima não tem o porque chamar a Polícia.

Leia também:  Nova modalidade de emprego na reforma trabalhista | Entendendo Direito

Como quase ninguém esta preparado pra esse tipo de despesa, diga ao outro condutor quais são as condições de pagamento dele, se forem  suficientes para vocês troquem telefones (confira o número – que ele -, o outro condutor lhe deu na hora, ligando para ele ali mesmo).

Caso ele não consiga honrar o compromisso, você pode procurar a 5ª vara civil de Rondonópolis, e se a despesa for menor que 20 salários mínimos, você não precisará de um advogado, apesar que eu recomendo que sempre se contrate um, pois esse por ter mais experiência e conhecimento da lei, vai fazer a petição melhor do que você faria.

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.