23 de outubro de 2020
Mais
    Capa Destaques Alunos de medicina da UFMT protestam pela falta de professores no curso

    Alunos de medicina da UFMT protestam pela falta de professores no curso

    Imagem: 24946275 1516599471768435 716916199 o
    Baixo-assinado elaborado pelos alunos do curso de Medicina da UFMT em Rondonópolis – Foto: Você Repórter

    Um grupo de alunos do curso de Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus de Rondonópolis, estão nas ruas coletando assinaturas em um abaixo-assinado, como forma de protesto, alegando a falta de professores e o risco do curso ser interrompido, a partir de março de 2018, quando começa o internato para a turma 1.

    Os 28 alunos da 1ª turma que começou a graduação em 2014 dizem estarem preocupados, pois no próximo ano ingressaram no internato, que é a vivência prática nas unidades de saúde e ainda falta professor para acompanhá-los como preceptores médicos.

    Eles percorreram as ruas da cidade e já foram até a pró-reitora da instituição. Os universitários do curso alegam que desde o início do curso vêm enfrentando esse problema e são penalizados por causa disso. Além de preceptores médicos, os acadêmicos reclamam da falta de estrutura do curso que ainda não conta com prédio e está abrigado dentro do Instituto de Ciências Exatas e Naturais.

    O presidente do Centro Acadêmico de Medicina, João Paulo Pazeta, conta que a maior preocupação não é o prédio, embora tenha começado a ser construído em 2013 com previsão de entrega até o final de 2014, apesar da verba já ter sido liberada para a UFMT.

    “A obra não é o problema agora, e sim a falta de professor e a dificuldade de entrada no internato. O prefeito nos deu apoio, mas estamos sem professores e preceptores disponíveis. Queremos concursos para professores aqui e estamos fazendo o abaixo-assinado para mostrar para a classe política a importância e benefícios do curso de Medicina em Rondonópolis”, explica.

    No ano passado, a mesma reivindicação foi feita por alunos do campus de Sinop, a 693 km de Rondonópolis. Eles fizeram greve por mais professores e investimentos na estrutura de alguns cursos, entre eles de medicina veterinária e farmácia.

    Em Cuiabá (a 215 km de Rondonópolis) um grupo de alunos de geografia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), fez um protesto contra a falta de professores para seis disciplinas do curso. Eles percorreram as ruas do campus com cartazes e foram até a pró-reitora da instituição.

    De acordo com a aluna do 6º semestre de medicina, Gabriela Ferreira, a quantidade de professores médicos atuais no curso não consegue dar início ao internato.

    “Teria que parar todas as outras turmas e deslocar todos os professores para o internato, o que não é viável, principalmente por questões burocráticas e desvio de função que aconteceria se isso fosse feito. Somos divididos em pequenos grupos, para ter uma supervisão adequada. E os professores médicos, em sua maioria, são concursados para trabalharem por 20 horas. O que demanda a quantidade mínima de 30 novos médicos no curso para que ocorra o internato para a 1ª turma”, aponta.

    Se houver interessados em participar do abaixo-assinado entre neste endereço abaixo-assinado.

    Nota da UFMT

    “Após reunião realizada com aproximadamente 80 alunos do curso de Medicina do Campus de Rondonópolis, ocorrida em 27 de novembro no Campus de Cuiabá, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) encaminhou as reivindicações ao Ministério da Educação (MEC), uma vez que as mesmas foram solicitadas no processo de criação do curso.

    Além disso, e por conta do contingenciamento de verbas, a UFMT já mantém diálogo com a bancada federal visando a proposição de emendas parlamentares que garantam a manutenção de suas atividades fins – o ensino, a pesquisa e a extensão – em todos os seus Campus.

    Foi criada uma comissão, com representação do Centro Acadêmico (CA) de Medicina; um estudante de cada semestre; três professores do curso, incluindo a coordenadora do curso, professora Claudineia de Araújo Nogueira; três técnicos-administrativos; o diretor do Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN), professor Rosevaldo de Oliveira e a pró-reitora do Campus, professora Analy Castilho Polizel, para acompanhamento dos trâmites”.

    Gerência de Imprensa ao AGORA MT.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS