Fecha as portas da UTI pediátrica da Santa Casa - Foto: Varlei Cordova/AGORAMT
Fecha as portas da UTI pediátrica da Santa Casa – Foto: Varlei Cordova/AGORAMT

Os hospitais filantrópicos Santa Helena, Hospital Geral e Santa Casa de Cuiabá decidiram paralisar os atendimentos para novos pacientes nas Unidades de Tratamento Intensivo – UTI’s, a partir da próxima segunda-feira (15), e a Santa Casa de Rondonópolis também deverá paralisar seus serviços gradativamente pois apesar da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) estar repassando os recursos regularmente, o Governo do Estado não esta honrando com os compromissos firmados.

Segundo a Federação dos Hospitais Filantrópicos de Mato Grosso (Fehosmt), as instituições não irão receber mais pacientes para as UTI’s. O Hospital Santa Casa de Misericórdia está sem receber pelos leitos de retaguarda desde março do ano passado, por isso irá paralisar todos os atendimentos que são realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Leia também:  Cartório do 2º ofício realiza 60 processos de casamento gratuitamente em dia de campanha do “Cartório Amigo”

A informação é que com a falta de repasses, a Santa Casa de Cuiabá, não vem conseguindo honrar os compromissos. Um deles refere-se ao pagamento dos funcionários, que estão com os vencimentos atrasados há dois meses. Sem salários, cerca de 600 enfermeiros e técnicos ameaçam paralisar as atividades. Mas, o movimento grevista também pode atingir trabalhadores dos setores da limpeza e da cozinha do hospital.

A presidente  da Federação dos Hospitais Filantrópicos de Mato Grosso – Fehosmt, Elizabeth Meurer alega que o problema nos repasses comprometem a continuidade dos atendimentos dos hospitais filantrópicos. “Estamos devendo a prestadores de serviços,  funcionários e não temos mais condições de comprar os medicamentos de alto custo. Precisamos pagar as dívidas para termos condições de trabalhar, porque não temos mais de onde tirar dinheiro”.

Leia também:  Gaeco cumpre mandado de busca e apreensão em associação cultural

Meurer relata que os filantrópicos são responsáveis por 85% dos atendimentos aos usuários do SUS no Estado de Mato Grosso e a maior preocupação é o atendimento à população com qualidade e eficiência.

“Infelizmente viemos comunicar  à população que necessita do atendimento pelo SUS que não temos outra saída a não ser a paralisação para que não haja comprometimento na qualidade do atendimento o que mais prezamos em nossas instituições”, afirma a presidente.

Elizabeth destaca que foi realizado um acordo com a Bancada Federal e o Governo de Mato Grosso onde seria destinado recursos das  emendas parlamentares no valor de R$ 33 milhões para os Hospitais Filantrópicos. “E que infelizmente esse valor acordado ainda não foi repassado apesar do empenho da bancada federal”.

Leia também:  Criminosos usam promoção falsa do O Boticário para roubar dados de rondonopolitanos

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.