Imagem: atendimento prefeitura
Foto: assessoria

A Prefeitura de Rondonópolis, por meio da Secretaria Municipal de Promoção e Assistência Social, tem obtido resultados positivos na redução da extrema pobreza em Rondonópolis, o que também contribuiu para diminuir o número de famílias nestas condições em 1,3% em Mato Grosso. Das 5.212 famílias da cidade apontadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) como extremamente pobres, 4.507 já foram identificadas e já estão recebendo o Bolsa Família, o que faz com que deixem a extrema pobreza com o acesso a renda.

Hoje, conforme dados do Relatório de Informações Sociais do Ministério de Desenvolvimento Social, que é atualizado mensalmente, 9 mil famílias integram o programa federal Bolsa Família, 7.049 recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e outras 695 passaram a fazer parte do programa do governo do estado Pró-família.

Mensalmente são transferidos para as famílias que integram os programas Bolsa Família, BPC – governo federal – e Pró-família – governo do estado – R$ 7,8 milhões que auxiliam na movimentação da economia local.

De acordo com a Secretaria de Promoção e Assistência Social, de janeiro de 2017 até o mês de abril deste ano, mais 1.170 famílias começaram a receber o Bolsa Família, entre elas às que vivem na zona rural, indígenas e até quilombolas.

A secretária municipal de Promoção e Assistência Social, Márcia Rotilli, a inclusão das novas famílias aos programas de transferência de renda está sendo possível por meio de um trabalho descentralizado. Equipes da pasta têm ido identificar quem tem necessidade dos benefícios em busca ativa nos bairros que ficam mais distantes dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), na zona rural e nas aldeias indígenas. “Um exemplo é o atendimento quinzenal feito na Aldeia Tadarimana, onde são atendidos indígenas de seis aldeias”, explica a secretária.

Além do trabalho de busca para incluir as famílias que se encontram em extrema pobreza no programa federal, a Secretaria ainda vem se dedicando para que quem já recebe o Bolsa Família tenha consciência na necessidade de atualização cadastral e de cumprimento das condicionalidades do programa nas áreas da Saúde e Educação.

Márcia Rotilli ressalta que em pouco mais de um ano foi possível aumentar de 54% para 80% o número de famílias que fazem periodicamente o acompanhamento na área da Saúde, um aumento de 26%. Na Educação, houve uma redução de 50% no descumprimento das condicionalidades, que é a obrigação de presença na escola.

“Com o aumento do acompanhamento em Saúde podemos trabalhar melhor a prevenção, garantindo melhor qualidade de vida para as famílias. Já na Educação, quando recebemos a informação de que a criança ou adolescente não está frequentando a escola como deveria começamos um trabalho direto com a família o que tem reduzido o descumprimento dessa condicionalidade”, destaca a secretária.

Desde o início de 2017, também se ampliou o número de famílias incluídas no Cadastro Único (CadÚnico) em 4.482. Hoje são 36.102 famílias cadastradas para um total de 31.620 em 2016.

A secretária reforça que os programas de transferência de renda, não só auxiliam para que as famílias deixem a extrema pobreza, como lhes dá autonomia em eleger prioridades em utilizar a renda que passa a ter acesso, como para comprar alimentos, medicamentos, pagar aluguel, e adquirir demais bens de necessidade.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.