Imagem: Serviço Social Saiba
Foto: reprodução

Atuar diretamente nas políticas sociais com o compromisso de defender e garantir os direitos da população, esse é o papel do Assistente Social, que comemora hoje (15) o seu dia. Embora a profissão tenha sido legalmente reconhecida por meio da Lei nº 3252 em 27 de agosto de 1957, somente em 15 de maio foram regulamentados e instituídos os instrumentos normativos e de fiscalização, na época pelo Conselho Federal e Regional de Assistentes Sociais.

A Lei que regulamenta a profissão sofreu alterações para adequar a legislação aos avanços da atuação profissional e, hoje, o Serviço Social é regulamentado pela Lei 8.662/1993. Segundo o Conselho Federal de Serviço Social (CFESS), o Brasil tem hoje aproximadamente 160 mil profissionais com registro nos 26 Conselhos Regionais de Serviço Social (CRESS). É o segundo país no mundo em quantitativo de assistentes sociais, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.

O dia em que se comemora o Dia do Assistente Social é momento propício para uma reflexão sobre as mudanças que a profissão sofreu ao longo dos anos. A profissão não contribui apenas no combate à desigualdade, mas também na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. É uma carreira de cunho assistencial, voltada para a promoção do bem-estar físico, psicológico e social.

Leia também:  IBGE terá novo modelo de coleta de dados para o Censo Demográfico 2020

De acordo com a pesquisa Assistente Sociais no Brasil (2005), realizada pelo CFSS, a profissão é composta majoritariamente por mulheres – 90%. O estudo também confirma a tendência de inserção do Serviço Social em instituições de natureza pública, com quase 80% da categoria ativa trabalhando nessa esfera. A saúde, a assistência social e a previdência social são as áreas que mais empregam profissionais.
Trabalhar no serviço público também é a desejo da estudante de Serviço Social Marta Carolina Viera, 28 anos. “No serviço público existem mais oportunidades de atuação. Além disso, é maior o contato com pessoas em situação de vulnerabilidade. Na minha opinião, é o melhor setor para se conquistar experiência”, explicou a estudante da Faculdade Uniasselvi EAD.

Leia também:  'Eu amo você, mas eu tenho que fazer isso' é o que falava filho matando pai à facadas

Para Marta não existe nada mais bonito e prazeroso do que seguir uma carreira que ajude as pessoas. A estudante também concorda com a pesquisa feita pela CFSS e percebe que a graduação de Serviço Social tem a predominância de mulheres. “É uma profissão que permite que a mulher desenvolva o seu lado materno e humano. Durante a carreira, também podemos fazer politicas direcionadas as mulheres. Existe uma grande necessidade dessas ações”, conclui a estudante.

Mercado de Trabalho
O mercado de trabalho de um assistente social tem aumentado. A terceirização de parte dos serviços sociais e de saúde do governo para ONGs faz crescer a procura por esses profissionais para gerir e implementar políticas nessas áreas. Porém, não é incomum vermos vagas para assistentes sociais em instituições de iniciativa privada como hospitais, creches e escolas.

Leia também:  Copa do Mundo | França vence e é bicampeã mundial

O curso de graduação em Serviço Social não é um dos mais procurados no país, mas é perfeito para quem se interessa por esse tipo de atividade. Seu conteúdo é voltado para que os alunos entendam a realidade social que os cerca e possam analisar criticamente as situações.

Confira aqui quanto ganha um Assistente Social

Disciplinas como teoria política, filosofia, ética e direito são algumas das principais da matriz curricular do curso. Você também se interessa por essa área e deseja cursar essa graduação? Conte com o Educa Mais Brasil. O programa educacional oferece bolsas de estudo de até 70% para o ensino superior. Não perca tempo, acesse no site do Educa Mais, selecione o curso e faça sua inscrição. É gratuita!

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.