Imagem: Rosário Casalenuovo JúniorQuantos tratamentos são necessários para resolver todos estes problemas? Inúmeros? Ou apenas uma  especialidade resolveria tudo?

Considerando que existem dois modos de abordagem para estes tratamentos, o primeiro e mais comum é o PATOLÓGICO, onde são tratados os sintomas e as doenças explícitas e o segundo é entendido que existe no indivíduo um desequilíbrio físico-funcional do sistema estomatognático (cabeça, boca, pescoço e ombros).

O primeiro deve tratar do segmento como por exemplo a ATM ( articulação temporo-mandibular – articulação da boca) ou DATM  ( disfunção da articulação temporo-mandibular ) que é uma especialidade da odontologia que aborda as partes, a dor é tratada o sintoma, a articulação é tratada com cirurgia ou placas de mordida focada na resolução do problema local, e se não resolver corta a articulação e coloca uma prótese.

Considerando que esta articulação ATM, é diferente de todas as outras do corpo por ser composta por fibro-cartilagem, ela se regenera diante das condições funcionais e biológicas adequadas. Como pode se ver em um caso clínico abaixo onde houve uma fratura por acidente perdendo-se toda a cabeça da mandíbula (côndilo mandibular) e depois do tratamento funcional de equilíbrio, ele se reconstituiu inteiramente.

Mas a visão coletiva dos profissionais é segmentada e patológica, vendo pelo próprio nome da especialidade, já é de uma doença,  é como se a ortopedia médica, deixasse de chamar assim, e passasse a ser disfunção do joelho, ou quadril.

Na fisioterapia francesa no ano de 1947 foi lançada a teoria de que todo os movimentos do corpo envolvem grupos musculares e articulações, não se tem um movimento de apenas um músculo, mas de vários ao mesmo tempo e para um grupo se movimentar outro grupo faz a estabilização, sustentação. Exemplo: para engolir, um grupo de músculos da cabeça, do pescoço e cintura escapular (ombros) se contraem e ficam estáticos para a língua subir e levar a saliva para a garganta.

A mastigação envolve as articulações da cabeça (ATM, e suturas cranianas que são micro articulações) os músculos do pescoço , ombros e a articulação da coluna cervical. Caso a movimentação da boca para se fazer a mastigação  for “manca” e levar a um desequilíbrio deste no  sistema neuro-esquelético-muscular, pode causar vários sintomas e disfunções assim como inflamações e degenerações.

Aí que entra a teoria da globalidade que entende que o corpo é integral e todas as partes estão interligadas, que o organismo somente entende se ele esta EQUILIBRADO OU DESAQUILIBRADO (esta é a linguagem dele, não tem outra) ele não entende os tratamentos segmentados, focados nos sintomas com remédios ou cirurgias isto tende a levar a desequilíbrios tratando uma coisa e causando caos no todo. Os tratamentos que ajudam o organismo a se equilibrar são os únicos que podem levar a cura real.

O Instituto Machado trabalha no conceito de integração do EQUILÍBRIO PLENO OBJETIVO, que é o pino de centro de todos os tratamentos.

1-EMOCIONAL:  psicologia e coaching;

2- FÍSICO-FUNCIONAL: odontologia, fisioterapia e fonoaudiologia, ortopedia e otorrino;

3- BIOQUÍMICO: medicina e nutrição;

A integração se da através da busca do EQUILÍBRIO, que é o pino de centro de todos os tratamentos.

Entendendo os milagres do organismo: o medico realiza uma cirurgia e o organismo cicatriza, o medico induz a fecundação entre o esperma e o óvulo e o organismo faz o filho, quer prova maior que o organismo é que realiza tudo e muito melhor do que o profissional, a regeneração acontece quando se tem um equilíbrio.

Agora quando se entra no assunto ouvido, cóclea, pode se ter patologias locais específicas que devem ser tratadas isoladamente assim como os problemas neuropáticos  de dor (cabeça e corpo como a fibromialgia), porém, sempre com um pé voltado para a medicina integrativa que procura entender os desequilíbrios bioquímicos e psíquico do indivíduo.

Porém a maioria das dores na cabeça tem envolvimento físico-funcional que são chamadas limitadamente de dor tensional.  Todos os sintomas e lesões na ATM, no ouvido, dores nos músculos da cabeça, pescoço e ombros, estes problemas acontecem devido aos desequilíbrios físico-funcionais, bioquímicos e emocionais, portanto a busca do equilíbrio como objetivo do tratamento deve se ter como tratamento principal e não como alternativo. Mas todos os tratamentos estão em cima da “mesa” para escolhermos e usarmos adequadamente, esta é a maior riqueza, sabedoria, bom senso, os patológicos (segmentados) e os funcionais, assim o paciente tendo esta oportunidade de opção pode reduzir o tempo de tratamento ou chegando a cura de muitos que são apenas paliativos, tendo também uma economia financeira considerável.

Portanto, antes de qualquer tratamento segmentado deve-se conhecer os dois conceitos para ter esta oportunidade. O paciente com conhecimento ganha poder e passa participar do tratamento  estimulado, motivado, assim o paciente passa a fazer parte da equipe colaborando acima do normal para a conquista do resultado.

 

Drº Rosário Casalenuovo Júnior, é Diretor Clínico do Instituto Machado de Odontologia – Brasília (DF), São Paulo (SP)  e Cuiabá (MT); Co-autor do livro Cirurgia Ortognática e Ortodôntica; Presidente da ABOR-MT (Associação Brasileira de Ortodontia – SEC.MT); Membro da Academia Libero-Latino-Americana de Disfunção Crâneo-mandibular e Dolor Facial; Membro da Academia Libero Latino Americana de Estética Médica e Interdisciplinar. Especialista em: Ortondontia (Bioprogressiva e Arco reto); Ortopedia Funcional dos Maxilares Dor Orofacial e Disfunção de ATM; Formação no Conceito Castillo Morales de Reabilitação; Autor do Conceito Arquitetura da Face; Autor do Conceito Ortodontia Funcional e Estética. Email: [email protected]

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.