O Spotify anunciou nesta quinta-feira uma mudança que promete abalar o mercado fonográfico. A partir de agora, artistas independentes dos Estados Unidos poderão disponibilizar suas obras diretamente na plataforma, sem a mediação de uma gravadora, grupo de distribuição ou mesmo de um funcionário do Spotify.

Ainda em fase de testes, o modelo funcionará por enquanto através de convites do Spotify a artistas selecionados. No novo sistema, o dinheiro obtido com direitos autorais será automaticamente depositado na conta dos autores.

Com a mudança na sua plataforma para artistas, o Spotify vai permitir que autores subam músicas sem limites em relação a frequência, tamanho ou quantidade. As ferramentas foram criadas com a consultoria de artistas independentes, entre eles a rapper Noname e o DJ Michael Brun.

Leia também:  Simaria que faz dupla com Simone volta a passar mal e é encaminhada ao hospital

O Spotify, em geral, paga a uma gravadora cerca de 52% da renda gerada por cada audição de uma música. A gravadora, por sua vez, paga ao artista algo entre 15% ou 50% de sua parte. Ao negociar os direitos de licenciamento diretamente com o Spotify, artistas e seus representantes podem ficar com o pagamento por completo.

CONTRATOS FECHADOS

O anúncio não foi exatamente inesperado: no último ano, o Spotify fechou, em segredo, contratos de licenciamento com um pequeno número de artistas independentes. Com o acordo, esses artistas passaram a gozar de um relacionamento mais próximo com a empresa — uma vantagem na hora de sugerir faixas para as influentes playlists do serviço.

Leia também:  Grupo sul-coreano BTS tem vídeo mais visto no YouTube em 24 horas

Embora os contratos sejam modestos — com adiantamentos de dezenas ou centenas de milhares de dólares, segundo vários envolvidos — as grandes gravadoras veem a iniciativa como uma ameaça potencial: um pequeno passo que, no fim das contas, poderia remodelar a indústria da música.

PUBLICIDADE

O Spotify não fornece detalhes sobre a sua entrada no mercado de talentos e não revela com quais artistas fechou contratos. Mas, segundo fontes do “NYT”, a empresa sueca pagou adiantamentos para firmas e outras companhias que representam artistas que não mantêm vínculo com nenhuma gravadora. Por enquanto, isso significa estrelas emergentes ou artistas veteranos que adquiriram controle de antigos hits.

A empresa oferece aos artistas duas vantagens: uma maior fatia dos lucros e propriedade de suas gravações. Os acordos, além disso, não são exclusivos, deixando os artistas livres para licenciar suas músicas para outros serviços de streaming, como a Apple Music e a Amazon.

Leia também:  Sandy é parceira de integrante do Trem da Alegria e Thiaguinho

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.