Imagem: Diany Dias
Foto: assessoria

Assim como sempre marcou presença nos atos em favor dos servidores públicos como presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário, Pecuário e Florestal do Estado de Mato Grosso (Sintap) e presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), a hoje candidata à deputada estadual, Diany Dias, que sai neste pleito com o número 90198, pelo PROS, fez questão de participar da assembleia geral dos funcionários públicos pela garantia do pagamento imediato da Revisão Geral Anual RGA), ocorrida na tarde desta segunda-feira, no Centro Político Administrativo, em Cuiabá.

 

Ela lembra que a luta para conseguir o pagamento da RGA foi grande em uma batalha de meses no ano de 2016 e que, neste mês de setembro, seria a última parte do acordo firmado naquela ocasião. Contudo, o fantasma do não pagamento ronda novamente os holerites dos servidores e, mais uma vez, é hora de todos estarem unidos para vencer. “Minha categoria (Indea) foi a única que teve o ponto cortado e até hoje meu sindicato tenta reverter este quadro. Mas sabemos que nada é fácil para quem dá a sustentabilidade do estado de Mato Grosso seja no atendimento do cidadão, muitas vezes sem as mínimas condições para tal, e sem que a sociedade compreenda que a luta é pela justiça de receber essa revisão no salário que o Governo do Estado insiste em repassar pela mídia como se fosse uma revisão, aumento salarial, quando, na verdade, só queremos nossas perdas.

Leia também:  Em visita ao Ceasa/MT, Leitão reitera compromisso com a agricultura familiar

 

Diante disso tudo é que estou neste pleito para garantir que o servidor tenha vez e voz na Assembleia Legislativa e nunca mais seja tratado desta forma”, ressaltou a candidata.

 

Na reunião desta tarde convocada pelo Fórum Sindical os servidores decidiram esperar o próximo dia 26 para verificar se o governo implanta o percentual restante da RGA. Caso contrário, no dia 27 haverá nova assembleia para deliberar a necessidade de uma nova greve geral. Diany avalia que esta será a única, saída, mas, com certeza, com o processo eleitoral, que deve eleger Wellington Fagundes para o governo do Estado e, além dela, a oportunidade de outros candidatos servidores estarem na ALMT, nunca mais os servidores terão que passar por essa situação.

Leia também:  Vice-prefeita de MT morre atropelada em faixa de pedestre a caminho de votação

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.