Depois de todo o imbróglio entre a candidata ao Senado, Selma Arruda (PSL), pela coligação do governador Pedro Taques (PPS) e o seu companheiro de chapa Nilson Leitão (PSDB), que acabou causando uma grave ruptura na chapa, chegou a vez dos candidatos do PPS à deputados federais em acusar a sigla de disparidade no programa de TV.

Segundo Werley Peres e Gilmar Brunetto (Gauchinho), a coligação Segue em Frente Mato Grosso II (PSDB, PPS, PSB, Solidariedade) tem desprestigiado suas candidaturas.

Peres fez um vídeo no Facebook denunciando a situação. Ele alegou que só foi apareceu na televisão no dia 6 de setembro, quase uma semana depois que o horário eleitoral havia começado.

Leia também:  Em plena campanha, candidatos já não cumprem obrigação eleitoral

“Estou até hoje tentando descobrir com quem eu falo para resolver isso, o partido tem dito que quem decide não é o partido é a coligação”, reclama Peres.

Os dois candidatos tentam conseguir o mapa de mídia para saber exatamente o número de inserções de suas candidaturas na programação, mas até agora não obtiveram respostas. Eles dizem que, no começo da campanha, o partido havia acertado dividir igualmente as inserções. Mesmo sem os números oficiais, os dois candidatos acreditam que, de cada seis inserções do PPS, quatro são do próprio Marrafon.

“Notadamente o Marrafon e o Leonardo (Albuquerque) são os que mais aparecem”, criticou Gauchinho. “É um partido que diz ser inovador, diz ter uma visão diferente da política e tem esta desproporcionalidade. O nosso questionamento é que acaba prevalecendo o caciquismo”, reclama Brunetto.

Leia também:  Ciro cita Vargas, que era amigo de Hitler

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.