O presidente do Sindicato Rural de Diamantino – cidade localizada a 182 km de Cuiabá – José Aparecido Casero, manifestou apoio ao candidato a senador, Nilson Leitão (PSDB), nesta sexta-feira (21). Considerando sua atuação na Câmara dos Deputados na defesa do setor produtivo, o representante o considera credenciado e experimentado para defender o setor no Senado Federal.

“O produtor rural tem obrigação de votar nele, devido ao trabalho que já prestou para Mato Grosso. Aliás, não apenas pelo nosso Estado, mas pelo país. As leis que ele conseguiu aprovar beneficiam produtores do Brasil inteiro. Fez um belíssimo trabalho como líder da Frente Parlamentar do Agronegócio e já mostrou que é capaz e pode fazer muito mais como senador”, analisou.

Leia também:  Em última roda de conversa, Sachetti busca conquistar internauta para ter vaga no Senado

De acordo com José, Nilson é um legítimo defensor do agronegócio. “Nosso país não vive sem o agro. Sem agricultura não há fartura. E precisamos de representantes no Congresso Nacional como o Nilson Leitão. Somos o maior produtor de grãos do mundo. E é por isso que faço o apelo a todos os produtores rurais de Mato Grosso para votarem nele no dia 07 de outubro”, conclamou.

Acompanhando o atual presidente do Sindicato, Mario Guardado Rodrigues, ex-presidente da entidade, revela que conhece o trabalho de Nilson de perto. “Na Frente Parlamentar do Agronegócio era o principal defensor dos agricultores e do setor produtivo. Por isso, já conversei com minha família e nós vamos votar nele. Meu candidato a presidente é Jair Messias Bolsonaro [PSL]. Se não votarmos em quem nos defende, vamos votar em quem?”, indagou.

Leia também:  Coronel Sandro aparece como um dos candidatos que mais cresce na Região Sul

Liderado pelo Sindicato, diversos produtores rurais de Diamantino se mobilizaram e estão organizaram uma carreata para este sábado (22), para pedir voto especialmente a dois candidatos – Jair Bolsonaro e Nilson Leitão. “Meu candidato é Jair Bolsonaro e o outro é Nilson Leitão, que apresentou um projeto que prevê a prisão coletiva de invasores de propriedades rurais em até 48h pela polícia. Isso é muito bom pra nós, pois dá mais segurança jurídica”, destacou o presidente.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.