O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, escolheu Francisco Macena como tesoureiro de sua campanha ao Planalto. Ele é investigado por suposta prática de caixa 2 na campanha de 2012, juntamente com o ex-prefeito de São Paulo.

A denúncia foi feita pelo Ministério Público Eleitoral em maio com base em supostos pagamentos a gráficas que prestaram serviços para sua campanha e que não foram declarados oficialmente. O valor atribuído pelo MPE na denúncia é de R$ 2,6 milhões.

A denúncia foi feita pelo promotor eleitoral Luiz Henrique Dal Poz na Operação Cifra Oculta. Além de Haddad e Macena, também foram denunciados o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e dois empresários donos de gráficas.

Leia também:  Jair Bolsonaro x Fernando Haddad disputam 2º turno para presidente

De acordo com a promotoria, os valores teriam sido repassados pela UTC diretamente às gráficas. O promotor imputa a Haddad falsidade ideológica e conteúdo falso na prestação de contas de 2012.

Outro lado

No processo, a defesa de Haddad e também os advogados de Macena alegaram que não há provas dos crimes e que a denúncia foi feita apenas com base na delação premiada da empresária Mônica Moura, sem documentação que comprovasse a declaração.

O R7 entrou em contato com a assessoria de campanha do candidato petista e aguarda um posicionamento.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.