A ação de investigação contra a candidata ao Senado, a juíza aposentada, Selma Arruda (PSL) correrá em segredo de justiça. Isso porque o desembargador do Tribunal Regional Eleitoral, Pedro Sakamoto, decretou sigilo na ação.

Selma está sendo investigada por um suposto abuso econômico na campanha de 2018. A ação foi proposta pelo candidato ao Senado da Rede, Sebastião Carlos, da Rede Sustentabilidade.

A defesa da magistrada argumentou que os extratos bancários da conta pessoal da magistrada serão apresentados de forma espontânea. O advogado Diogo Sachs, que patrocina a defesa da juíza, peticionou a necessidade do sigilo nos autos ser decretado para salvaguardar as informações bancárias da candidata e impedir novos episódios do reality show formado em torno desta ação, que busca macular a imagem da candidata e prejudica-lá nas eleições.

Leia também:  Justiça suspende condenação e libera registro da candidatura de Gilmar Fabris

O desembargador acatou o pedido de sigilo “tendo em vista que a exposição de dados bancários […] devem ser de conhecimento restrito aos personagens deste feito”.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.