Fogos de artifício explodem durante abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016 - Foto: Pawel Kopczynki/Reuters
Fogos de artifício explodem durante abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016 – Foto: Pawel Kopczynki/Reuters

Os Estados Unidos acusaram nesta quinta-feira (4) sete funcionários da inteligência russa por conspirar para hackear computadores e roubar dados em uma tentativa de deslegitimar organizações internacionais antidoping, além de expor autoridades que revelaram o programa de doping de atletas patrocinado pelo governo russo. Documento do Departamento de Justiça americano dá detalhes, entre outras coisas, de como os russos teriam agido no Rio de Janeiro, por ocasião dos Jogos Olímpicos de 2016 na cidade.

As acusações contra os russos incluem conspiração para cometer fraude com computadores, fraude de comunicação e lavagem de dinheiro, e sua divulgação acontece horas depois que autoridades holandesas disseram que frustraram uma tentativa de agentes da inteligência russa de invadir a Organização para a Proibição de Armas Químicas, em Haia, em abril.

Jogos do Rio
Em julho de 2016, foi divulgado o chamado 1º Relatório McLaren, da Agência Mundial Antidoping (WADA, na sigla em inglês), descrevendo como a Rússia fraudava o processo de testes antidoping durante e logo após os jogos de inverno de Sochi, em 2014. Essa investigação contou com apoio da Agência Antidoping dos Estados Unidos (USADA) e o Centro Canadense de Ética no Esporte (CCES, agência antidoping do Canadá). A Corte Internacional de Arbitragem do Esporte decidiu então que 111 atletas russos seriam excluídos dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, por diversas federações internacionais de atletismo.

Leia também:  App Messenger começa a traduzir 3 idiomas de mensagens para português

O Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês) impôs uma proibição geral dos atletas russos dos Jogos Paraolímpicos de 2016, que também foram realizados no Rio.

Segundo a Justiça americana, dias após o anúncio da exclusão dos atletas russos, os acusados se prepararam para invadir as redes da WADA, da USADA e da TAS / CAS. “Os conspiradores, incluindo especificamente os acusados Ivan Sergeyevich Yermakov, de 32 anos, e Artem Andreyevich Malyshev, de 30 anos, registraram domínios falsos que imitavam domínios legítimos da WADA e da TAS / CAS, e outras infraestruturas, sondaram as redes dessas entidades e fizeram phishing com funcionários da WADA e da USADA”, diz comunicado da Justiça americana.

Leia também:  EUA cria implante de células-tronco para curar vício da cocaína

Os EUA afirmam que, provavelmente por não terem conseguido capturar os logins necessários, ou porque as contas de uma vítima que foram comprometidas com sucesso não tinham os privilégios de acesso necessários para conseguir as informações que procuravam, os acusados Aleksei Sergeyevich Morenets, de 41 anos, e Evgenii Mikhaylovich Serebriakov, de 37 anos, foram ao Rio de Janeiro para realizar operações de hacking com o suporte remoto de Yermakov.

Eles mantiveram acesso contínuo a redes de wi-fi usadas por funcionários antidoping no Rio. Ainda segundo a acusação, como resultado desses esforços, em agosto de 2016, os russos obtiveram as credenciais necessárias de um funcionário do Comitê Olímpico Internacional e, posteriormente, as usaram com outras credenciais para obter acesso não autorizado a uma conta num banco de dados antidoping.

Leia também:  Inundações arrastam carro para o mar e duas pessoas morrem

Ainda segundo o governo americano, um alto funcionário antidoping da USADA viajou ao Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Enquanto esteve lá, o funcionário da USADA usou o Wi-Fi no hotel e outros pontos de acesso Wi-Fi no Rio para acessar remotamente os sistemas de computadores da USADA. Enquanto esses funcionário da USADA estava no Rio, os russos conseguiram “comprometer as credenciais da sua conta de e-mail”, que incluía o recebimento dos resumos dos resultados dos testes de atletas e de medicamentos prescritos.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.