Hadadd e Bolsonaro - Foto/Reprodução
Hadadd e Bolsonaro – Foto/Reprodução

A três dias do primeiro turno, o último dia de horário eleitoral obrigatório na TV dos candidatos à Presidência, nesta quinta-feira (4), foi marcado por ataques de Fernando Haddad (PT) a Jair Bolsonaro (PSL), que lidera as pesquisas. O capitão reformado do Exército, por sua vez, disse ser perseguido.

O aumento no tom das campanhas dos candidatos também marcou a despedida das campanhas de Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT).

Haddad mudou a estratégia de campanha e passou a atacar Bolsonaro desde quarta-feira (3). Antes disso, o petista mostrava propostas de governo, sem atacar os adversários.

A mudança estratégica do PT acontece em meio a uma estagnação de Haddad nas pesquisas eleitorais, ao mesmo tempo em que sua rejeição vem crescendo. Divulgada na noite da última quarta-feira, pesquisa Ibope aponta o petista com 23% das intenções de voto, contra 32% de Bolsonaro.

Leia também:  Vereador fiscaliza obra e garante que cobrará execução do acesso à BR-364

Na peça, um narrador afirma que Bolsonaro foi “o único deputado que votou contra o Fundo de Combate à Pobreza” e “votou contra os direitos dos trabalhadores na reforma trabalhista de [Michel] Temer”. “Mas quando foi para aumentar o próprio salário, ele votou a favor”, continua a narração.

“Não vote em quem sempre votou contra você. Bolsonaro não”, diz um trecho da campanha de Haddad.

“Está chegando o dia da eleição, queremos um país de paz”, disse. “Eles nos atacam com mentiras na TV e no WhatsApp”, afirmou o petista. Haddad encerrou com o pedido de votos. “Nessa reta final, converse com amigos e família, lembre-se que urna não é lugar de ódio, é de esperança”, disse.

Leia também:  Após pedido de vereador, Secretaria de Habitação monta posto de atendimento na Região Salmen

Bolsonaro relembra ataque
Bolsonaro usou seu curto espaço no horário eleitoral (oito segundos) para lembrar do ataque sofrido pelo candidato há cerca de um mês, em Juiz de Fora (MG).”Tentaram até tirar a vida dele”.

A campanha do militar fala também em “perseguição”, “mentiras” e “calúnia”. Segundo a campanha na TV, “o sistema quer se manter no poder, o sistema não quer Bolsonaro, mas o povo quer e quem decide é o povo”.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.