A ceia de Natal deve ficar mais cara este ano por causa do aumento nos preços de alguns produtos hortigranjeiros. Dados do 12º Boletim Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado nesta quarta-feira (19), mostram que a batata foi a hortaliça que apresentou as maiores cotações na maioria das Centrais Estaduais de Abastecimento (Ceasas) analisadas, em novembro.

Em Mato Grosso (MT), a batata também pesou contra o orçamento das famílias ao contabilizar alta mensal de 22%, com o preço médio de venda (embalagem de 6 quilos) passando de R$ 14,1 para R$ 17,2, conforme levantamento realizado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Leia também:  Relógios se adiantam, mas horário de verão só começa dia 4

Em Rondonópolis, o quilo da batata para o consumidor é encontrado de R$ 1,88 a R$ 2,49 pelos supermercados da cidade. Já o preço do quilo do tomate é encontrado de R$ 2,97 e pode chegar a R$ 4,99.

A Cesta Básica registrou o maior valor em doze meses, em Cuiabá (a aproximadamente 220 Km de Rondonópolis). Em outubro, o valor médio dos alimentos essenciais registrou R$ 426,6, superando a maior elevação desse período, até então observada em janeiro de 2017, quando somou R$ 424,7.

Na comparação anual a alta foi de 9,07% com a cesta saindo de R$ 391,2 em outubro do ano passado para R$ 426,6 em outubro desse ano. Na avaliação mensal, setembro ante outubro, a inflação sobre os alimentos registrou elevação de 6,25%, quando a cesta estava cotada a R$ 401,6.

Leia também:  Rocambole Prestígio

Os dados do Imea mostraram que um dos principais fatores para a elevação da cesta básica foi o preço do tomate, que obteve uma variação de 75,3% na comparação entre outubro e setembro. Nesse período, o custo do produto (caixa com 9 quilos), saiu de R$ 34,5 para R$ 60,5.

SOBRE O IMEA 

A cesta cotada pelo Imea possui os mesmos 13 itens da cesta que é avaliada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em 18 capitais do País.

São acompanhados: carne, leite, feijão, arroz, farinha de trigo, batata, tomate, pão francês, café em pó, banana, açúcar, óleo e manteiga.

Dos 13 itens, apenas quatro registram queda nos preços na comparação mensal (carne, leite, farinha de trigo e manteiga).

Leia também:  Mulher é presa comercializando drogas no Jardim Assunção

Os demais produtos da cesta básica – feijão, arroz, batata, tomate, pão francês, café em pó, banana, açúcar e óleo – tiveram altas.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.