Uma proposta apresentada no 17° Encontro da ACM Hot Topics in Networks, em Washington (EUA), permitirá que os clientes identifiquem fraudes em produtos. A ideia é combinar um sistema de emissão de ondas de rádio com inteligência artificial em etiquetas brancas, similares as presas em peças de roupas, para identificar a adulteração em alimentos e combustíveis, deste modo uma pessoa comum poderá fiscalizar qualquer tipo de material.

“Queremos democratizar o controle da qualidade e da segurança de alimentos e outros produtos, levar esse sistema às mãos de todas as pessoas”, destaca Fadel Adib, professor do MIT e coautor do artigo que descreve a criação.

A nova ferramenta utiliza a técnica por radiofrequência (RFID), uma abordagem convencional de identificação de produtos. Para testar a criação, os pesquisadores utilizaram álcool puro e álcool contaminado com 25%, 50%, 75% e 100% de metanol. Além disso, analisaram alimentos para bebês contaminados com melamina, substância presente na fabricação de plásticos, com uma porcentagem que variou de 0% a 30%.
Ao fim do teste, o sistema conseguiu detectar 96% dos casos de adulteração dos alimentos infantis e 97% dos casos de álcool.

Leia também:  Delegado desabafa sobre atrasos de salários

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.