João de Deus está preso desde domingo (16) - Marcos Souza/Estadão Conteúdo
João de Deus está preso desde domingo (16) – Marcos Souza/Estadão Conteúdo

A Polícia Civil de Goiás anunciou nesta quarta-feira (19) que encontrou, a partir de mandados de busca e apreensão, aproximadamente R$ 405 mil em dinheiro vivo na residência do médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, investigado por abuso sexual.

A quantia estava em um fundo falso de um guarda-roupas do quarto dele, onde também foram encontradas cinco armas, espalhadas por gavetas e outros espaços, sendo uma delas com a numeração raspada.

O valor localizado pela polícia estava distribuído em diferentes tipos de moedas, como francos suíços, dólares americanos e canadenses, pesos argentinos e euros. O maior volume de notas era, no entanto, de reais.

Polícia encontra armas e dinheiro na casa do médium - Ernesto Rodrigues/Estadão Conteúdo
Polícia encontra armas e dinheiro na casa do médium – Ernesto Rodrigues/Estadão Conteúdo

Ainda não sei sabe a origem desse dinheiro, mas os agentes estranharam a quantidade, considerada anormal por estar armazenada numa residência comum.

Inicialmente o delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes, havia dito que as armas também estavam no fundo falso mas os policiais que participaram das buscas explicaram que os revólveres foram encontrados em várias partes do quarto de João de Deus.

Leia também:  Criança é baleada na cabeça pelo próprio irmão após arma disparar acidentalmente

De acordo com a coordenadora da força-tarefa que investiga os abusos, delegada Karla Fernandes, a polícia apreendeu dois revólveres de calibre 32, um de calibre 38, uma pistola 380 com capacidade para 12 tiros, e uma garrucha calibre 22, que tinha a numeração raspada.

Também foram encontradas diversas munições em poder de João de Deus, sendo algumas estrangeiras. Chamou atenção ainda a descoberta de munições 357, exclusiva de uso militar, e que pode ser usada em calibre 38.

A princípio, nenhuma das armas têm registro junto à Polícia Federal ou ao Exército e, por isso, o médium também pode ter de responder por posse ilegal de arma de fogo, com o agravante de uma delas ter a numeração raspada, o que altera a tipificação criminal.

Leia também:  Morre a sétima vítima de acidente entre carreta e ônibus escolar

“Essas armas não possuem registro, uma delas tem numeração raspada, então, denota-se mais uma investigação referente a esse armamento”, afirmou André Fernandes. “Ele vai responder pela posse e a questão da arma raspada terá uma qualificação diferenciada”, complementou.

Apesar dessas apreensões, tanto o dinheiro quanto as armas encontradas não devem ser utilizados, por enquanto, como provas no primeiro inquérito sobre abuso sexual, previsto para ser concluído nesta semana.

As buscas, que resultaram nessas descobertas, foram realizados na tarde desta terça-feira e duraram mais de quatro horas para serem concluídas. Os policiais concentraram esforços em três endereços principais: a Casa Dom Inácio de Loyola, onde João de Deus fazia os atendimentos espirituais, a residência pessoal do médium e o endereço de uma entidade comunitária, conhecida como Casa da Sopa, que distribui alimentação para moradores da comunidade.

Questionado sobre a descoberta, o advogado de João de Deus, Alberto Toron, negou que o dinheiro tenha qualquer relação com a suposta movimentação de R$ 35 milhões nas contas de João de Deus registrada às vésperas da prisão dele, no domingo, 16. Ele disse que irá consultar seu cliente para saber a origem dos valores.

Leia também:  Padrasto tenta estuprar adolescente e sem êxito mata a menina e o irmão de 11 anos

A própria Polícia Civil admite, porém, que esse dinheiro pode, sim, ser fruto das atividades religiosas exercidas por João de Deus. Nas buscas, os agentes encontraram, por exemplo, livros contábeis de uma biblioteca na Casa Dom Inácio de Loyola, que apontam para um volume de circulação próximo a R$ 500 mil num único mês.

Outro lado

O advogado do médium, Alberto Zacharias Toron, disse em mensagem encaminhada ao R7 que discorda da decisão e irá recorrer ao Superior Tribunal de Justiça. Toron informou também que apenas a liminar foi apreciada e negada. O julgamento final do habeas corpus será após o recesso do judiciário.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.