Papa Francisco em audiência no Vaticano - Foto: Max Rossi/Reuters
Papa Francisco em audiência no Vaticano – Foto: Max Rossi/Reuters

O Papa Francisco criticou nesta terça-feira (18) líderes nacionalistas que culpam os imigrantes pelos problemas dos próprios países e fomentam a desconfiança na sociedade buscando ganho desonesto e promovendo políticas xenófobas e racistas.

O pontífice de 82 anos, que fez da defesa dos imigrantes um pilar de seu papado, fez os comentários em sua mensagem para o Dia Mundial da Paz da Igreja Católica, em 1º de janeiro, que é enviada a chefes de Estado e de governo e a organizações internacionais.

O papa disse que os tempos atuais estão “marcados por um clima de desconfiança enraizado no medo dos outros ou de estrangeiros, ou na angústia a respeito da própria segurança pessoal”.

Leia também:  Agressor ataca crianças com martelo dentro de escola e várias ficam feridas

Francisco disse ser triste que a desconfiança “também seja vista no nível político, em atitudes de rejeição ou formas de nacionalismo que criam dúvidas sobre a fraternidade de que nosso mundo globalizado tem tanta necessidade”.

A mensagem chega em um momento no qual a imigração é uma das questões mais polarizadoras em países como Estados Unidos, Itália, Alemanha e Hungria.

Francisco já trocou farpas com o presidente norte-americano, Donald Trump, e o político italiano de direita, Matteo Salvini, por causa dos direitos dos imigrantes.

Na semana passada o papa elogiou o primeiro Pacto Global para a Migração da Organização das Nações Unidas (ONU), que estabelece objetivos para o aprimoramento da administração da migração.

Leia também:  Paraguaios são presos com fuzis suspeitos de planejarem sequestros de brasileiros

Várias nações, inclusive EUA, Itália, Hungria e Polônia, não foram à reunião no Marrocos, enquanto o futuro chanceler do governo Jair Bolsonaro já anunciou que vai retirar o país do pacto.

‘Beatitudes do Político’
Francisco denunciou uma lista de “vícios” de políticos que disse terem minado a democracia autêntica e atrapalhado a vida pública através de várias formas de corrupção.

Entre eles, incluiu a malversação de recursos públicos, o ganho desonesto, a xenofobia, o racismo, a falta de preocupação com o meio ambiente e a pilhagem de recursos naturais.

Ele propôs oito “Beatitudes do Político” –formuladas primeiramente pelo falecido cardeal vietnamita François-Xavier Nguyen Van Thuan– como um guia para o comportamento daqueles que ocupam cargos públicos.

Leia também:  Manifestantes protestam na Venezuela contra bloqueio de ajuda humanitária

Estas, afirmou, estabeleceriam metas para políticos que, entre outras qualidades, deveriam ter uma compreensão profunda de seu papel, exemplificar pessoalmente a credibilidade, trabalhar pelo bem comum e realizar mudanças radicais.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.