Charlotta Turner, professora da Universidade de Lund (Suécia), e Firas Jumaah – doutorando resgatado de área ocupada pelo Estado Islâmico -Foto: @CharlottaTurner/Reprodução/Twitter
Charlotta Turner, professora da Universidade de Lund (Suécia), e Firas Jumaah – doutorando resgatado de área ocupada pelo Estado Islâmico -Foto: @CharlottaTurner/Reprodução/Twitter

Uma professora da Universidade de Lund, na Suécia, organizou o resgate de um doutorando retido em uma região do Iraque controlada pelo grupo terrorista Estado Islâmico. A operação ocorreu em 2014, mas o caso só foi revelado nesta semana pela revista “LUM”, oficial da instituição.

Tudo começou quando Firas Jumaah, doutorando em química na instituição, soube que o Estado Islâmico havia invadido a cidade onde a família dele morava no norte do Iraque. Mesmo sabendo dos riscos e da tese a terminar, ele tomou um avião para tentar proteger a mulher e os filhos.

Jumaah é da etnia yazidi, vítima de genocídio pelos militantes do Estado Islâmico. Os terroristas, quando invadiam vilarejos dessa população, matavam todos os homens e tomavam as mulheres como escravas.

Leia também:  Polícia da Holanda prende 4º suspeito de envolvimento em tiroteio

O doutorando em química, portanto, teve de se esconder com a família em uma fábrica de alvejantes abandonada. Lá, fazia calor de 45°C e eles tiveram de conviver semanas com pouca comida e um cheiro forte de produtos químicos.

Atraso na pesquisa
O doutorando, então, enviou uma mensagem à orientadora da tese – a professora Charlotta Turner. Ele pediu que ela imprimisse a tese caso ele não retornasse à Suécia em uma semana.

Desesperada, Turner procurou a chefia da Universidade de Lund para tentar fazê-lo voltar para concluir a tese. “Fiquei revoltada em como o Estado Islâmico invade nosso mundo, expõe meu aluno e sua família e ainda atrapalha a pesquisa”, disse a professora.

Leia também:  Agressor ataca crianças com martelo dentro de escola e várias ficam feridas

A instituição concordou em ajudar. A professora telefonou para o chefe de segurança Per Gustafson. Ele a informou que, coincidentemente, ele havia contratado para a universidade empresas de segurança e transporte que existiam em várias partes do mundo. “Parecia que estávamos preparados para a missão.”

O resgate do doutorando

Refugiados da minoria yazidi são retirados do monte Sinjar, no norte do Iraque- Foto: Rodi Said/Reuters
Refugiados da minoria yazidi são retirados do monte Sinjar, no norte do Iraque- Foto: Rodi Said/Reuters

Gustafson e Turner, então, bolaram um plano. Eles contrataram mercenários fortemente armados que partiram em busca de Jumaah. Conseguiram resgatar o doutorando, a mulher e os dois filhos pequenos da zona de guerra. Todos passaram seis horas protegidos com coletes à prova de balas e capacetes até chegarem ao aeroporto em Erbil, prontos para partir à Suécia.

“Foi difícil e eu me senti mal por ter deixado minha mãe e meus irmãos para trás”, contou Jumaah. A boa notícia veio depois, quando soube que eles conseguiram escapar da região ocupada pelo Estado Islâmico.

Leia também:  ‘Bafômetro’ que pode detectar câncer é testado por médicos britânicos

Finalmente na Suécia, Jumaah conseguiu concluir o doutorado. Hoje, ele tem uma permissão permanente para morar no país europeu com a família e trabalha em uma empresa farmacêutica na cidade de Malmo. A mulher dele, Rawya Hussein, é mestre em química e procura emprego.

A professora que iniciou os trabalhos do resgate – e sacrificou as férias por isso – celebrou a vinda da família de Jumaah.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.