Ministério da Economia deve disponibilizar R$ 800 milhões para ações de apoio emergenciais a Brumadinho (MG), segundo o porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros.

“O Ministério da Economia disponibilizou uma equipe para a avaliação de suplementação de ação de apoio emergencial e desastre, com dotação inicial de R$ 800 milhões”, afirmou em entrevista na tarde desta terça-feira (29), em São Paulo.

Rêgo Barros não soube detalhar de que forma esse dinheiro será disponibilizado à cidade mineira, que enfrenta situação de calamidade devido ao rompimento de uma barragem de rejeitos de mineração na sexta (25).

“A informação da liberação eu a possuo, como vai ser essa distribuição e quando, melhor consultar o próprio Ministério da Economia, que tem o cronograma e a forma de como esse desembolso será efetuado”, disse.

Leia também:  Presidente Jair Bolsonaro exonera ministro do turismo

A assessoria da pasta comandada por Paulo Guedes, contudo, disse não ter conhecimento sobre essa liberação. A Secretaria de Imprensa do Palácio do Planalto também não forneceu mais detalhes.

Esta é a primeira vez que o governo federal fala em um valor para ajudas financeiras a Brumadinho.

Em nota divulgada no último sábado, o presidente Jair Bolsonaro falava em “recursos financeiros” para auxílio ao local atingido, mas o governo vinha dizendo que os valores dependeriam de um pedido do governador de Minas Gerais e da prefeitura do município atingido.

O porta-voz foi perguntado ainda sobre se haveria uma mudança de prioridades do governo nas pautas do Congresso, que retoma as atividades na sexta-feira (1º), devido ao desastre em Minas.

Leia também:  Fornecimento de água mineral é cortado em secretaria

“Não falou e, por óbvio, nem poderia falar, a tragédia aconteceu na sexta, no sábado nos deslocamos para Brumadinho e no domingo ele deu entrada no hospital”, respondeu ao ser indagado sobre se Bolsonaro falou sobre priorizar ações ligadas a Brumadinho em relação à reforma da Previdência.

Segundo Rêgo Barros, o presidente está preocupado com as mudanças nas regras de aposentadoria, pauta considerada crucial para que o governo consiga recuperar a economia.

“Óbvio que ele está muito preocupado com a questão da Previdência, mas no devido momento e de forma coordenada, vai expressar sua orientação para os nossos ministros e esses ministros vão estudar a melhor maneira de vocalizar junto ao nosso Congresso”, disse.

Leia também:  Por unanimidade, todos os vetos do prefeito são derrubados

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.