A gestão Pedro Taques (PSDB) em frente ao Governo do Estado terminou sem repassar a última parcela do duodécimo ao Ministério Público. O procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, confirmou que sem esse valor de repasse não tem como quitar salários de membros da instituição, servidores e terceirizados. Segundo Curvo, o atraso nos repasses eram constantes na administração tucana.

“Só depois do repasse do mês de dezembro a gente vai ter condições de pagar o salário dos nossos membros, servidores e terceirizados”, explicou o procurador-geral.

Leia também:  Rivais históricos, PT e PSDB devem caminhar juntos em MT

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.