Imagem: terapia online
A nova resolução do Conselho Federal de Psicologia facilita o atendimento aos pacientes (Ilustração: Joana Resek/SAÚDE é Vital)

Se vivesse hoje no Brasil, o pai da psicanálise, Sigmund Freud (1856-1939), provavelmente estaria às voltas com um dilema: aderir à modalidade do atendimento online, por meio de mensagens, e-mails e videochamadas por computador e celular, ou continuar fazendo sessões presenciais, com o bom e velho divã? Difícil dizer. O que se sabe é que, desde o dia 14 de novembro, os 323,7 mil profissionais cadastrados no site do Conselho Federal de Psicologia (CFP) foram autorizados a usar plataformas virtuais — como Skype, WhatsApp e Hangouts — para atender seus pacientes. E sem restrição de assunto ou limite de tempo e sessões.

A resolução anterior, de 2012, liberava apenas “orientações”, e não “consultas ou atendimentos” pra valer. “Mais do que vantagens, vejo facilidades com essa medida: quando estiver doente, viajando ou morando em um lugar distante ou com carência de profissionais, o usuário poderá recorrer ao atendimento online”, explica a psicóloga Rosane Granzotto, do CFP.

Ainda que amplifique o acesso, a psicoterapia virtual provoca uma dúvida: será que ela é tão eficaz quanto a ao vivo e em cores? Maria Adélia Minghelli Pieta, doutora em psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, assegura que sim.

Autora de um estudo sobre o tema, ela coordenou uma equipe de oito psicólogas que, entre junho e novembro de 2012, atendeu 24 pacientes: 12 deles via Skype e 12 em sessões presenciais. Dois anos depois, comparou os resultados e constatou que a terapia online nada ficou a dever ao modelo convencional.
“Diante do grande número de evidências, sou a favor do atendimento psicológico a distância. Em certa medida, ele reproduz o que acontece nos encontros presenciais”, afirma Maria Adélia.

A terapia virtual chega ao Brasil depois de ser regulamentada em diversos países, como Canadá, Austrália e Reino Unido. Nos Estados Unidos, um trabalho da Universidade de Minnesota revela que, além de ser tão eficiente quanto, ainda sai mais barato, tanto para terapeutas quanto para pacientes.

Considerando os gastos com combustível e o valor das sessões, entre outras despesas, as portadoras de transtorno alimentar que aderiram ao tratamento remoto economizaram o equivalente a 8 mil reais quando comparadas às mulheres que participaram de 20 encontros cara a cara durante quatro meses.

No Brasil, os valores das consultas virtuais também tendem a ser mais baixos. A título de comparação: uma consulta presencial, segundo tabela de honorários do CFP, sai, em média, por 226,38 reais. O valor mais em conta cobrado por uma sessão online é de 70 reais.

A discussão, na verdade, é mais antiga do que aparenta. Teve início em 1994, quando o uso do telefone para fins de atendimento psicológico foi debatido. E ganhou força em 2005, ano em que o serviço por computador foi autorizado em caráter experimental. Sete anos depois, passou a ser permitido, desde que o psicólogo tivesse site próprio.

Um dos adeptos da terapia online é o psiquiatra Wagner Gattaz, diretor do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo. Em 2014, ele desenvolveu um estudo envolvendo 107 pacientes com depressão. Desses, 52 foram tratados via Skype e 55 pelo método tradicional. Em relação à evolução clínica, não houve diferença: os dois modelos se mostraram similares.

Gattaz, no entanto, verificou maior adesão ao tratamento entre os usuários da internet. “Muitas vezes, o atendimento a distância é o preferido porque torna o tratamento mais acessível. Em um país de dimensões continentais, há inúmeros rincões sem um serviço de saúde mental por perto”, avalia o médico.

Os números do CFP confirmam essa disparidade: enquanto Roraima, na Região Norte, tem 677 psicólogos, São Paulo, no Sudeste, registra a maior concentração do país: 97 614, ou seja, 145 vezes mais. Não é por acaso que a quantidade de sites que oferecem atendimento psicológico vem crescendo no Brasil.

Robô que faz terapia?

A inteligência artificial é a mais recente aliada da medicina no combate à depressão. Batizado de Deprexis, o programa de computador criado na Alemanha com base na terapia cognitivo-comportamental (TCC) tira as dúvidas do usuário e avalia suas oscilações de humor. Além disso, ajuda a reconhecer os sintomas da doença, propõe soluções para problemas do dia a dia e ensina a lidar com pensamentos negativos.

Seu uso é recomendado de uma a duas vezes por semana, por pelo menos 30 minutos. Para ter acesso à ferramenta digital, que conta com aprovação no Brasil, o paciente precisa informar o registro de seu médico no Conselho Federal de Medicina (CFM) e pagar uma taxa única de 990 reais. Essa terapia coadjuvante dura três meses.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.