Começou nesta quarta-feira (20 de março) no Amazonas a campanha de vacinação contra a gripe de 2019. A mobilização no estado ocorre 21 dias antes do restante do país. Mas por quê?

Segundo nota do Ministério da Saúde, em 2018 foram notificados 17 casos e 3 mortes por todos os subtipos do influenza no Amazonas – desses, um episódio e uma morte foram atribuídos ao vírus H1N1. Acontece que, só do início de 2019 até março, o estado já contabilizou 666 casos suspeitos, sendo 107 confirmados por H1N1. No total, 28 pessoas morreram.

Seguindo uma recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), a campanha de vacinação tem como alvo:

Grávidas e puérperas (até 45 dias após o parto)

Crianças de 1 a 5 anos

Trabalhadores de saúde

Indígenas

Idosos

Professores

Pessoas com doenças crônicas

Indivíduos privados de liberdade

“A situação da influenza no estado do Amazonas é atípica. É importante lembrar que a vacina não visa evitar só a propagação do vírus, mas sim casos e óbitos nos grupos prioritários”, afirma Wanderson Kleber, secretário do Ministério da Saúde. “Por isso, a população deve ficar atenta aos outros métodos de prevenção, como lavar as mãos com frequência e evitar sair de casa se estiver doente, principalmente para locais com aglomeração de pessoas”.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.