Uma ação preventiva em saúde foi realizada nesta terça-feira (12.03) com reeducandas da cadeia feminina de Rondonópolis (218 km ao sul de Cuiabá). O mutirão incluiu 122 reeducandas que passaram por exame preventivo de colo de útero e pressão arterial.

A ação foi coordenada pela assistente social Edna Rodrigues, responsável pelo programa de saúde prisional, com apoio da Secretaria Municipal de Saúde de Rondonópolis. Os exames serão feitos no Laboratório Central do município.

A diretora da unidade, Silvana Lopes, explica que o intuito da ação é fazer a detecção precoce e dar tratamento aos possíveis casos da enfermidade. “O suporte posterior será feito pelos postos de saúde da família que estão na região em que se localiza a cadeia feminina, para facilitar a logística de saída das reeducandas”, explicou a diretora.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer do colo do útero, também chamado de câncer cervical, é causado pela infecção persistente por alguns tipos do Papilomavírus Humano – HPV. A infecção genital por esse vírus é muito frequente e não causa doença na maioria das vezes. Entretanto, em alguns casos, ocorrem alterações celulares que podem evoluir para o câncer. Essas alterações são descobertas facilmente no exame preventivo e são curáveis na quase totalidade dos casos. Por isso, é importante a realização periódica do exame.

Em 2018, o Inca estimou 16.370 novos casos de câncer da doença no país.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.