A alta ingestão de sal e baixa de grãos e de frutas são os principais fatores de risco alimentar para mortes no mundo, segundo uma das maiores pesquisas sobre hábitos alimentares e longevidade realizada pela Universidade de Washington, nos Estados Unidos, com financiamento da Fundação Bill & Melinda Gates.

A pesquisa comprova que quem mantém uma alimentação rica em sal, açúcar e gordura trans apresenta maior tendência a morrer precocemente. Mas os pesquisadores afirmam que não haveria necessidade de cortar esses itens, mas sim de apenas acrescentar alimentos saudáveis à dieta para reduzir a mortalidade.

O estudo, que ressalta que a relação entre hábitos alimentares a doenças crônicas tem sido amplamente investigada, analisou dados de alimentação de pessoas com mais de 25 anos de 195 países entre 1990 e 2017, e o consumo de 15 categorias alimentícias.

Segundo os pesquisadores, em 2017, 11 milhões de mortes foram atribuídas a fatores de risco alimentares. Entre elas, 10 milhões foram causadas por doenças cardiovasculares, 913 por câncer e 339 mil mortes por diabetes tipo 2.

O estudo mostrou que a ingestão média de carne vermelha é de 27 gramas por dia, 18% maior que a ingestão ideal. O de carne processada, de 4 g por dia, 90% maior que a quantidade ideal. Já a de sódio, de 6 g por dia, 86% acima da quantidade adequada.

A maior ingestão de bebidas açucaradas foi observada entre adultos jovens e mostrou uma tendência decrescente com a idade.

A pesquisa ressalta a importância de políticas públicas para melhorar o acesso a alimentos saudáveis, geralmente mais caros, e a responsabilidade das empresas alimentícias em criar produtos mais saudáveis.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.