Este fim de semana foi um tanto quanto conturbado no município de Alto Taquari. A conveniência que funciona no posto de combustível, ambos de propriedade do prefeito Fábio Garbugio, foi autuada por poluição sonora, que é um crime ambiental.

O prefeito e os clientes não ficaram satisfeito com a autuação e começaram a vaiar os policiais e o promotor João Mota, que também estava no local.

Em entrevista ao Portal AGORA MATO GROSSO, o promotor explicou que vem fazendo um trabalho de fiscalização desse tipo de crime no município, tanto em estabelecimentos como em veículos, e que no início da noite recebeu uma denúncia de que o som estaria atrapalhando a vizinhança.

Ele contou que na primeira vez que esteve no estabelecimento, foi aferida a altura do som e que por estar tudo dentro do limite, inclusive com alvará, ele se retirou.

Em um segundo momento, ao retornar ao local foi realizada mais uma medição, momento em que os clientes que estavam presentes começaram a fazer barulho e gritar cada vez mais alto, o que na aferição atingiu mais de 100 decibéis. A população tem que entender que a perturbação de sossego não é só o som alto depois das 22h. Trata-se do direito do outro ao silêncio noturno. Como houve insistência tivemos que autuar” afirmou o promotor.

Em um vídeo gravado momento após a autuação, o prefeito aparece chamando a população a agir contra a atitude do promotor, o intitulando como caçador de prefeitos. Ele afirmou ainda que o promotor quer acabar com o município.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.