Imagem: SirleiDesde cedo ele aprendeu com o pai o que era trabalho duro. Era uma vida embalada pelas estações. Planta, cresce e colhe. Um ciclo infinito regado a muito, muito dinheiro. A mega plantação que acompanhava os motoristas que passavam pela estrada, por quilômetros e quilômetros, rendia no final de cada clico dinheiro suficiente para realizar qualquer sonho.

Cresceu em meio a riqueza e ao luxo. Tinha tudo que o dinheiro poderia comprar, mas lhe faltava o “poder”. No frigir dos ovos era apenas mais um afortunado brasileiro.

Um dia, a porta do “poder” se abriu para ele. Chegou ao terreno da política onde passou a ser bajulado, reverenciado, e a cada reverência, a cada tapinha nas costas, a cada encontro com os poderosos, algo foi mudando dentro dele.

Um dia, já seduzido pelo “poder”, embora sempre tenha se posicionado contra a reeleição, não foi difícil lhe convencer de continuar por só mais um mandato e eis que aqueles que se uniram a ele deram inicio a um “esquema” que iria garantir a reeleição na cadeira mais alta. Mal sabia ele o efeito que isso tudo iria produzir.

Leia também:  Como se separar saudavelmente

Sim, quando alguém decide abrir a porta para a corrupção, mesmo que, a princípio, os recursos não parem diretamente em seu bolso, que tudo seja usado para bancar gastos de campanha, a lama fétida vai cobrir suas roupas, carregada pelo sangue daqueles que morrem por falta de estrutura da saúde, da segurança e pela morte intelectual produzida pelos desvios da educação. Enfim, tudo que falta lá na ponta, devido aos desvios e corrupção, se transforma na nova vestimenta que ira vestir o antes idealista, agora corrupto.

Identificar quem se encaixe nesse padrão é uma tarefa fácil. Geralmente são aqueles que por medo de perder o foro privilegiado fazem qualquer coisa para continuar no “negócio”. São os professores que depois de um mandato não voltam para a sala de aula, empresários que não voltam a dirigir suas empresas, e por aí vai. A corrupção mata a alma e com ela mata a essência do que um dia ele foi. Quando recebem o “não” das urnas é muito comum encontra-los por aí mendigando cargos e encargos, não conseguem mesmo voltar.

Leia também:  Como se separar saudavelmente

Outra característica é a de não honrar a palavra. Para ele, vale tudo para encher os bolsos, se manter no topo, mesmo que para isso a sua palavra não tenha valor algum, mesmo que o seu nome e o de sua família sejam jogados no lixo.

A sociedade está cansada desse tipo de gente. Perde a eleição e fica ali, mendigando um cargo para ainda sentir algum “poder”. Aceita ser ridicularizado pelas pessoas, passa vergonha, se humilha, mas está lá, fazendo de tudo para continuar com seu papel de hospedeiro a sugar o corpo do Estado, custe o que custar.

Imagine você, aquele cara que depois de uma série de mandatos é reprovado pelo eleitor, ou seja, quem elege deixou claro que não quer mais aquela pessoa naquele cargo, portanto deveria ser o fim. O “não” da urna deveria ser o ponto final de uma história, de um ciclo. Aí o reprovado, ao invés de voltar para sua vida e sua casa, luta, se debate, se contorce todo até que um cargo seja criado para ele. Triste, mas isso infelizmente tem acontecido.

Leia também:  Como se separar saudavelmente

É preciso mudar o sistema, ou melhor, o sistema precisa mandar os reprovados nas urnas para casa, chega de dar um jeitinho para que este ou aquele assuma este ou aquele cargo, o desejo do eleitor precisa ser respeitado para que a mudança de fato ocorra.

Se você conhece alguém que se encaixe nos modelos que apresentei aqui e se concorda com tudo isso, faça a sua parte, cobre dos políticos que você elegeu uma postura ética, responsável e coerente.

Se não fizermos nada a farra vai continuar e com ela, pessoas vão continuar morrendo nas filas por falta de remédios e atendimento, crianças vão perder anos e anos em escolas sem estrutura, famílias vão perder a vida em estradas sem a mínima condição de trafegabilidade. Enfim, tudo vai continuar como está.

E aí, vamos mudar?

Sirlei Theis é advogada, especialista em gestão pública e escreve com exclusividade para esta coluna às segundas-feiras. E-mail: [email protected] Instagram: @sirleitheis. Facebook: sirleitheisoficial

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.