10 de agosto de 2020
Mais
    Capa Bastidores Fávaro ganhou, mas não levou
    CASSAÇÃO

    Fávaro ganhou, mas não levou

    Todos os membros da Corte Eleitoral entenderam que isso daria vantagem ao pessedista no pleito suplementar.

    O ex-governador, Carlos Fávaro (PSD), ganhou, mas não levou. A defesa pediu e o desembargador Pedro Sakamoto – relator da ação que cassou o mandato da senadora Selma Arruda (PSL) e seu suplente, Gilberto Possamai – atendeu. Para ambos, Fávaro deveria ocupar a vaga da ex-juíza interinamente, até que se convoque uma nova eleição para Senado. Mas não teve jeito; foram votos vencidos. Todos os membros da Corte Eleitoral entenderam que isso daria vantagem ao pessedista no pleito suplementar. Tampouco viram base legal.

    Mas o que chama a atenção é que nos demais cargos legislativos, há existência da figura do suplente que, em casos como este, assume imediatamente a vaga. Para o Senado, o vice é escolhido por meio de chapa pronta, ao contrário das proporcionais. Com a perda do mandato de Selma e Possamai, Mato Grosso perderá representatividade nela, que é considerada a Casa Legislativa mais equânime, visto que são três assentos para estado da federação.

    A ação foi movida pelos então candidatos ao Senado Federal, que disputaram o pleito também contra Selma – Sebastião Carlos (REDE) e Carlos Fávaro (PSD). Ambos aguardam o acompanhamento da decisão do Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) pela Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e já se articulam nos bastidores para o pleito suplementar.

    Imagem: Carlos Fávaro

    Foto: Carlos Fávaro.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS