08 de fevereiro de 2021
Mais
    Capa Notícias Cidades Giraldelli é escolhido presidente do TRE-MT, Sebastião fica de vice
    SOB NOVA DIREÇÃO

    Giraldelli é escolhido presidente do TRE-MT, Sebastião fica de vice

    Entre os principais desafios assumidos pelos gestores está a realização das eleições 2020 e a universalização da biometria em MT.

    Imagem: Giraldelli assume presidência do TRE MT
    Giraldelli assume a presidência do TRE-MT.

    O Pleno do Tribunal Regional de Mato Grosso (TRE-MT) escolheu o desembargador Gilberto Giraldelli para presidir a Corte até 2021. Já o desembargador Sebastião Barbosa Farias foi eleito vice-presidente, acumulando também o cargo de corregedor regional eleitoral. Entre os principais desafios assumidos pelos gestores está a realização das eleições 2020 e a universalização da biometria em todo o Estado.

    Atualmente, 69% do eleitorado de Mato Grosso possui cadastro biométrico. De acordo com o novo presidente, a estimativa é de que 100% dos eleitores mato-grossenses estejam cadastrados até o final de 2019. Giraldelli ressaltou sobre o desafio de assumir o Tribunal com um quadro pequeno de servidores, cerca de 180 ao todo, sendo que parte está em vias de se aposentar.

    O baixo quadro de servidores e a possibilidade de aumento da demanda judicial em decorrência do entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) de que ações em que haja conexão entre crimes comuns e eleitorais passem a ser julgados também pela Justiça Eleitoral, é uma equação que só deverá ser resolvida no transcurso do mandato. Parafraseando Guimarães Rosa, o desembargador Sebastião salientou que a solução não está na partida, nem na chegada, mas, sim, na travessia.

    Outro desafio assumido pela nova gestão do TRE-MT é a de implantação do sistema PJe – Processo Judicial Eletrônico – na primeira instância, além de implantar o Portal Transparência da Justiça Eleitoral. Sobretudo, Gidaldelli ressaltou a necessidade de ações de conscientização para a realização de eleições seguras, sem fraudes, a exemplo da utilização de mulheres como “laranjas” a fim de preencherem a cota de 30% de mulheres do total de candidatos dos partidos.

     

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS