Imagem: Prefeito Humberto Bortolini, o Betão
Prefeito Humberto Bortolini, o Betão – Foto/ Reprodução

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) realizou uma sessão nesta quarta-feira (15), para a votação que pode resultar na cassação do mandato do prefeito de Itiquira Humberto Bortolini, o Betão (PSD), e o vice-prefeito Antonio Joaquim Gonçalves (PSDB), por contratar servidores no período de eleição.

Durante a sessão foram contabilizados quatro votos a favor pela cassação. Com esse resultado o mandato dos gestores é dada como certa, no entanto, um novo pedido de vista do juiz-membro Jackson Coutinho Coleta adiou a conclusão do julgamento.

Betão que é irmão do deputado estadual Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), foi reeleito em 2016 com mais de 70% dos votos válidos e neste mesmo ano o Ministério Público Eleitoral (MPE) recebeu uma denúncia feita pelo ex-vereador de Itiquira, Afonso Aragão (PDT) contra o prefeito acusado de praticar condutas vedadas aos agentes públicos no ano eleitoral e abuso de poder político.

Imagem: Ex vereador de Itiquira Afonso Aragão
Ex – vereador de Itiquira Afonso Aragão – Foto/ Arquivo Pessoal

Foi através desta denúncia que o MPE instaurou procedimento preparatório, com fundamento na portaria 692/2016 para apurar as possíveis irregularidades eleitorais cometidas pelo atual gestor que estaria realizando desde o início do ano, distribuição de bens, valores e benefícios, sem que houvesse dotação orçamentária para o fato

Afonso relata que durante as fiscalizações que ele realizava no município notou que algumas pessoas que não tinham perfil social para receber doações estavam sendo beneficiadas, e neste mesmo período recebeu informações de moradores que não conseguiam receber doações por não apoiar o prefeito e foi isso que o fez denunciar o gestor.

Por sua vez, o juiz César Bearsi ressaltou que os atos praticados pelo prefeito parecem com “pequenas coisas” se olhadas isoladas e aparenta ser só um pequeno benefício para alguns eleitores e não vai desequilibrar as eleições,mas tem uma hora que é necessário fazer como o relator fez e olhar o conjunto. Cada coisa somada dá para perceber o impacto porque é uma cidade pequena, com pequeno número de eleitores e cada pessoa beneficiada por esses programas sociais acabou também repassando isso para os familiares e pessoas dessa pequena comunidade. Realmente o relator já havia ganho minha confiança nesse sentido de que a eleição foi desequilibrada e merece o fim que teve”, enfatizou Bearsi.

A a conclusão do julgamento está prevista para a próxima semana.

 

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.