01 de agosto de 2021
Mais
    Capa Cidades Sem sabão nem papel, médicos denunciam risco de infecção no Pronto-Socorro de...
    PRECARIEDADE

    Sem sabão nem papel, médicos denunciam risco de infecção no Pronto-Socorro de Cuiabá

    Os profissionais também relatam a falta de remédios e materiais básicos.

    Imagem: Sem sabão e pale PS
    Foto: Reprodução.

    O Sindicato dos Médicos do Estado de Mato Grosso (Sindimed-MT) recebeu a denúncia, nesta quinta-feira (16), de médicos que atuam na ala pediátrica do Hospital Pronto-Socorro Municipal de Cuiabá (HPSMC) sobre as condições precárias em que se encontra a unidade. De acordo com relatos dos profissionais, faltam desde sabão à papel toalha.

    De acordo com um dos profissionais que não quis se identificar por medo de sofrer retaliação, a empresa de limpeza terceirizada está há 3 meses sem receber da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o que estaria prejudicando o reabastecimento de produtos básicos de higiene. Para resolver os problemas, os próprios funcionários da unidade conseguiram doações de sabão e o papel.

    Além disso, o Sindicato apurou a falta de medicamentos como Oxacilina, Clindamicia, Cefalotina, Fentanil, Morfina de 10mg/ml, Cetamina, Albumina e luvas de procedimento. Nesta quinta, as cirurgias eletivas do Pronto-Socorro foram suspensas, por conta da falta de outros medicamentos, além de insumos básicos como como eletrodo e filtro de ventilação mecânica.

    O diretor de Comunicação do Sindimed-MT, Adeildo Lucena, considera grave a recorrente falta de medicamentos e insumos na unidade. “Não bastasse a falta desses produtos, a notícia de que está faltando sabão e papel é extremamente preocupante, por conta do risco hospitalar que isso gera. Vamos cobrar explicações da Prefeitura de Cuiabá”, pontuou.

    Nota SMS

    Em relação às denúncias de falta de medicamentos e insumos no Pronto Socorro, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa:
    -Foi realizada uma grande aquisição de medicamentos e insumos, que está sendo entregue paulatinamente.
    -Em Cuiabá não há fábricas de medicamentos e insumos. Depois que todo o trâmite burocrático para a aquisição é finalizado, o material é enviado para as distribuidoras para que elas enviem para Cuiabá, o que é feito por meio de caminhões.
    -Nesta semana chegaram dois caminhões de produtos e na próxima semana chegarão mais carregamentos.
    -Para suprir as necessidades mais urgentes, foram feitas aquisições com distribuidores locais para abastecer o Pronto Socorro enquanto todos os carregamentos não chegam.